PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Governo do Japão espera que economia retorne a níveis pré-Covid até final do ano

06/07/2021 08h48

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - A economia do Japão deve se recuperar para níveis pré-pandemia até o final deste ano, ajudada por exportações sólidas, enquanto os gastos do consumidor serão apoiados pelo progresso nas vacinações, disse o governo em estimativas revisadas divulgadas nesta terça-feira.

Em sua revisão de meio de ano, o governo agora prevê que, durante o ano fiscal que se encerra em março, a economia crescerá 3,7% e em algum ponto o Produto Interno Bruto (PIB) real excederá os 547 trilhões de ienes (4,9 trilhões de dólares) registrados entre outubro e dezembro de 2019.

"A recuperação do Japão será moderada na primeira metade deste ano fiscal, mas se acelerará na segunda metade devido a ganhos constantes nas exportações e despesas de capital", disse o governo, acrescentando que também haverá uma aceleração nos gastos com serviços.

As projeções parecem mostrar uma expansão mais fraca do que a estimativa do governo de janeiro, que apostava num crescimento de 4,0% para este ano fiscal. Mas isso se deve em grande parte a uma contração menor do que a esperada de 4,6% da economia no ano fiscal de 2020.

O crescimento no próximo ano fiscal deve desacelerar para 2,2%, à medida que o ritmo das exportações é moderado. Mas a demanda doméstica robusta elevará o PIB para um recorde de 558 trilhões de ienes, de acordo com as projeções, que servem de base para a formulação de políticas e elaboração do orçamento do Estado.

As previsões vêm na esteira de um relatório do banco central do Japão de segunda-feira, que pintou uma visão cautelosamente otimista sobre as economias regionais, em um sinal de que as autoridades não querem intensificar as medidas de estímulo fiscal ou monetário tão cedo.

A terceira maior economia do mundo está atualmente atrás dos Estados Unidos, Reino Unido e muitos países europeus em relação à vacinação. O aumento do número de infecções forçou o Japão a manter restrições de estado de "quase" emergência semanas antes do início dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 23 de julho.