PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Dólar tem maior queda diária desde março após Fed e ajustes tributários

14/07/2021 17h32

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em forte queda contra o real nesta quarta-feira, refletindo o alívio de temores sobre um aperto monetário mais cedo do que o esperado pelo Federal Reserve e uma recepção positiva dos investidores às alterações nas propostas de tributação do governo brasileiro.

O dólar à vista recuou 1,87%, a 5,0855 reais. Essa é sua desvalorização diária mais acentuada desde 31 de março de 2020, quando caiu 2,23%.

O contrato mais líquido de dólar futuro, negociado na B3, tinha queda de 1,69%, a 5,087 reais.

Esse movimento veio em linha com o desempenho da moeda norte-americana no exterior. O índice do dólar perdia quase 0,5% nesta quarta-feira, enquanto peso mexicano, lira turca e rand sul-africano apresentaram fortes ganhos.

O chair do Federal Reserve, Jerome Powell, disse mais cedo que a política monetária dos Estados Unidos oferecerá "apoio poderoso" à economia "até que a recuperação esteja completa", e descreveu o recente salto da inflação norte-americana como temporário.

"Isso gerou bastante euforia nos mercados, então vimos o dólar caindo bastante contra várias moedas emergentes", disse à Reuters Vanei Nagem, responsável pela mesa de câmbio da Terra Investimentos.

A sinalização mais "dovish", ou tolerante com a alta dos preços, tende a fornecer apoio para moedas arriscadas, uma vez que estimula o redirecionamento de recursos estrangeiros para países de juros mais altos.

Ao mesmo tempo em que há perspectiva de manutenção dos juros baixos nos EUA, pelo menos por ora, "temos a perspectiva de uma taxa Selic mais alta no Brasil, o que deve continuar estimulando entrada de recursos aqui", acrescentou Nagem.

Em sua última reunião de política monetária, o BC promoveu a terceira alta consecutiva de 0,75 ponto percentual da taxa Selic, a 4,25%, e indicou que vai anunciar aumento da mesma magnitude, pelo menos, em sua próxima reunião.

Enquanto isso, os investidores comemoraram nesta quarta-feira a notícia da véspera de que o parecer da reforma do Imposto de Renda (IR) prevê redução na tributação das empresas.

"Estamos vendo avanços na reforma tributária, com ajustes positivos para a economia, apesar da taxação de dividendos", explicou Paloma Brum, economista da Toro Investimentos. "Esses ajustes podem reduzir a carga do Imposto de Renda sobre pessoa jurídica."

Apesar do bom humor desta quarta-feira, ressaltou Nagem, os investidores devem seguir atentos aos ruídos políticos domésticos em meio às investigações da CPI da Covid no Senado.

Os agentes do mercado também digeriam a notícia de que o presidente Jair Bolsonaro será levado a São Paulo para ser submetido a exames que determinarão se será necessária uma cirurgia de emergência para desobstruir seu intestino, após ele ter sido hospitalizado nesta madrugada.

Com o fechamento desta quarta-feira, o dólar tem agora queda acumulada de 2% contra o real em 2021, mas ainda está acima de uma mínima em mais de um ano de 4,9062 atingida em 24 de junho.