PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Ibovespa fecha com maior alta desde janeiro endossado por exterior e sinalização fiscal

24/08/2021 18h02

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou em alta nesta terça-feira, puxado pela influência positiva de mercados no exterior, particularmente de commodities como o minério de ferro, além de declarações buscando amenizar preocupações com o cenário fiscal no país.

Índice de referência da bolsa brasileiro, o Ibovespa subiu 2,33%, a 120.210,75 pontos, acelerando a alta após o ajuste e marcando o maior avanço diário desde o fim de janeiro. O giro financeiro no pregão somou 29,75 bilhões de reais.

A aprovação total para vacina Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 pela FDA, agência de alimentos e medicamentos dos EUA, na véspera, ainda ecoou nos mercados, apoiando ações de empresas relacionadas à reabertura das economias, além de commodities.

Em Wall St, o S&P 500 renovou recordes, enquanto agentes financeiros continuam na expectativa do simpósio do Federal Reserve, em Jackson Hole em busca de mais pistas sobre os próximos passos do BC norte-americano.

Na visão do diretor de investimentos da Kilima Asset, Eduardo Levy, o cenário global mais confiante, principalmente nos mercados desenvolvidos, deu suporte ao avanço do Ibovespa, além do clima mais calmo no mercado brasileiro.

"Foi um dia de relativa calma, principalmente depois dos dias mais voláteis pelos quais a gente passou e o estresse causado no dólar e na curva de juros", observou.

Esse clima mais positivo ganhou força após declarações do presidente da Câmara, Arthur Lira, descartando que o Congresso vá votar medidas que vão contra a responsabilidade fiscal ou o calote no caso dos precatórios.

"Não houve e não haverá o mínimo sinal de que teremos um rompimento da responsabilidade fiscal", afirmou em evento online organizado pela XP Investimentos.

De acordo com o gestor da Galapagos Capital Ubirajara Silva, o mercado tem sofrido com o conflito entre os Poderes e a preocupação com a situação fiscal, e a fala de Lira reafirmando compromisso com o teto de gasto foi muito bem recebida.

"Isso fez com que o mercado de animasse", avaliou, destacando também o alívio na curva futura de juros e a forte queda do dólar em relação ao real, o que também ajudou a bolsa, com efeito positivo em setores ligados ao mercado interno.

Silva chamou a atenção para o comportamento de estrangeiros na bolsa paulista, com o saldo no segmento Bovespa positivo em 7,548 bilhões de reais em agosto até o dia 20, apesar de o Ibovespa acumular até a véspera queda de 3,55% no mês.

"Mesmo com a realização no mercado neste mês de agosto, o investidor estrangeiro está comprando", afirmou, destacando que é importante acompanhar esse fluxo, bem como as notícias referentes ao teto de gastos e ao cenário fiscal de país.

DESTAQUES

- VALE ON subiu 3,65%, apoiada na recuperação dos preços do minério de ferro na China, com o contrato da commodity mais negociado em Dalian saltando mais de 6%. No setor, USIMINAS PNA, CSN ON e GERDAU PN também avançaram com força.

- PETROBRAS PN fechou com elevação de 2,07%, ampliando os ganhos da véspera, em outro dia de alta dos preços do petróleo no mercado, com o Brent subindo 3,35%, ante perspectivas mais positivas para a demanda da commodity.

- CYRELA ON disparou 12,33%, em meio ao alívio nos juros futuros, tendo de pano de fundo ainda relatório do Bradesco BBI assumindo a cobertura da empresa com recomendação 'outperform' para as ações e preço-alvo de 28 reais --um upside de mais de 50% em relação ao fechamento da segunda-feira.

- GOL PN saltou 10,97%, em sessão positiva para ações do setor de viagens, após notícia sobre aprovação pela FDA de uma vacina nos EUA, com AZUL PN subindo 7,3%. No mesmo contexto, CVC BRASIL ON fechou com elevação de 6,38% e EMBRAER ON valorizou-se 8,13%.

- LOJAS AMERICANAS PN avançou 11,81%, com o clima mais comprador apoiando alguma recuperação, embora ainda acumule perda de cerca de 17% agosto, na esteira de ajustes relacionados a fusão de determinados ativos da companhia com a antiga B2W, agora chamada Americanas. AMERICANAS ON subiu 9,69%.

- COSAN ON valorizou-se 1,63%, após anunciar na véspera nova estratégia de investimentos, incluindo a entrada em mineração. A companhia disse que a joint venture nessa área deve começar a produzir no Pará em 2025, com capacidade inicial de 10 milhões de toneladas de minério de ferro ao ano.

- JBS ON caiu 3,26%, entre as poucas quedas do Ibovespa, em meio a movimentos de embolso de lucros, que puseram fim a uma sequência de quatro alta seguidas, no qual acumulou alta de mais de 9%. No setor, MINERVA ON caiu 0,35%.

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

(Edição de Aluísio Alves)

PUBLICIDADE