PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Reforma do IR implica 'ligeira' perda fiscal, mas cumpre propósito esperado pela Economia

Reforma do Imposto de Renda, aprovada hoje pela Câmara dos Deputados, implica pequena perda fiscal para a União - Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Reforma do Imposto de Renda, aprovada hoje pela Câmara dos Deputados, implica pequena perda fiscal para a União Imagem: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Marcela Ayres

02/09/2021 19h19Atualizada em 02/09/2021 19h39

A reforma do Imposto de Renda aprovada pela Câmara dos Deputados implica pequena perda fiscal para a União, mas cumpre propósito esperado pelo Ministério da Economia de taxar o rendimento de capital, diminuindo ao mesmo tempo os encargos sobre empresas e pessoas físicas, afirmou uma fonte com conhecimento direto do assunto.

"Ligeira (queda) é por volta de 10, 20 bilhões de reais (ao ano)", disse a fonte da pasta, que falou à Reuters em condição de anonimato.

Os cálculos ainda estavam sendo finalizados, mas as cifras não são consideradas expressivas, especialmente num quadro de recuperação com fôlego da economia, acrescentou.

Segundo a mesma fonte, a redução da alíquota sobre dividendos a 15%, de 20% originalmente propostos pela equipe econômica, fez parte de negociação política e ficou no limite do que a pasta considerava aceitável.

"Foi o combinado", disse.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que alinhavou a rápida votação, entrou em contato com o time do ministro Paulo Guedes para saber até onde poderia ir o corte.

Os dividendos são isentos no país desde 1995.

No fim das contas, o imposto sobre a renda das empresas também terminou caindo menos, lembrou a fonte. Pelo texto aprovado na Câmara, o IRPJ cairá de 15% para 8%. A Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL), por sua vez, terá uma diminuição de 0,5 ponto em duas fases, condicionadas à diminuição de incentivos tributários. Ao cabo do processo, a alíquota geral de CSLL irá de 9% para 8%.

Uma segunda fonte do Ministério da Economia destacou que a perda com o texto da reforma será menor do que a que chegou a ser calculada internamente a partir do parecer anterior do deputado Celso Sabino (PSDB-PA).

"A redução do IRPJ foi menor, mesmo com 15% de dividendos", disse.

Pela reforma, fica mantida a cobrança adicional de 10% de IRPJ para lucros que ultrapassem os 20 mil reais ao mês.

Sabino chegou a propor uma redução de 8,5 pontos percentuais na alíquota do IRPJ, para 6,5%. Ao mesmo tempo, sugeriu a diminuição na alíquota de CSLL em 1,5 ponto. Nesse desenho, o encargo sobre a renda das pessoas jurídicas iria para 24%, sobre 34% atualmente.

Já a versão aprovada pelos deputados fará o encargo geral cair a 26%.

Em relação às pessoas físicas, a reforma aumentou a faixa de isenção do IR a 2.500 reais mensais, sobre 1.903,98 reais hoje, o que ampliará o contingente de trabalhadores que não pagarão impostos sobre seus salários. A medida é bandeira antiga do presidente Jair Bolsonaro, que chegou a acenar com elevação da faixa de isenção para 3.000 reais.

PUBLICIDADE