PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Região central de Brasília terá reforço de policiamento e linhas de revista no dia 7

04/09/2021 18h11

(Reuters) - Brasília terá reforço de policiamento em toda sua região central na próxima terça-feira, quando estão previstas manifestações a favor e contra o presidente Jair Bolsonaro, informou neste sábado o governo do Distrito Federal.

A Polícia Militar do DF implementará linhas de revistas pessoais e bloqueios nas principais vias da Esplanada dos Ministérios --onde estarão concentrados os apoiadores de Bolsonaro-- e proximidades da Torre de TV --onde deve ocorrer ato contra o presidente. O acesso à Praça dos Três Poderes será restrito.

Segundo o chefe do Departamento Operacional da PMDF, coronel Jorge Eduardo Naime, “a intenção é que todos que acessarem a Esplanada dos Ministérios e proximidades da Torre de TV passem pelas linhas de revista".

Além da proibição de objetos pontiagudos, garrafas de vidro, hastes de bandeiras e outros materiais que coloquem em risco a segurança de manifestantes, também não será permitido o voo de drones sem autorização no espaço aéreo da Esplanada.

"Vamos seguir os protocolos que vêm dando certo no planejamento e monitoramento de eventos deste porte... vamos garantir que todos exerçam o direito de se manifestar pacificamente e com segurança", afirmou o secretário de Segurança Pública, Júlio Danilo, segundo a Agência Brasília.

Os eventos serão monitorados pelo Centro Integrado de Operações de Brasília (Ciob), que reúne 29 órgãos, instituições e agências do governo do Distrito Federal (GDF) voltadas para segurança, mobilidade, saúde, prestação de serviço público e fiscalização.

O trânsito na região será fechado a partir de zero hora de terça-feira.

Bolsonaro vem convocando há semanas a população para manifestações pelo país no dia 7 de setembro, prometendo comparecer pela manhã em Brasília e à tarde em São Paulo.

Em um momento em que as pesquisas apontam para perda de sua popularidade e em que tensiona cada vez mais a relação com o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente aposta nessas manifestações como uma demonstração de força e de apoio popular.

(Por Alexandre Caverni)

PUBLICIDADE