PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Chinesa Spic reduz geração hídrica, inicia operação de térmica com capacidade plena

21/09/2021 17h08

BRASÍLIA (Reuters) - A elétrica chinesa Spic está operando apenas três ou quatro das seis turbinas da hidrelétrica de São Simão, a cada dia, disse a presidente-executiva da empresa no Brasil à Reuters na terça-feira, enquanto uma seca recorde impacta o setor de energia no país.

A entrada de água nos reservatórios de usinas hidrelétricas do Brasil durante a estação chuvosa de 2020-2021 foi a menor em 91 anos, de acordo com o Ministério de Minas e Energia, com alívio esperado apenas para quando as chuvas provavelmente retornarão em novembro.

A presidente-executiva da Spic Brasil, Adriana Waltrick, destacou que a usina térmica GNA I, uma unidade da companhia com outros parceiros, entrou em operação na semana passada, e sua capacidade de 1,3 gigawatt está sendo colocada em uso imediato para ajudar a compensar o declínio nacional da produção hídrica.

Waltrick disse que prevê potenciais dificuldades operacionais à frente, mas que há pouca chance de que seja necessário um racionamento de energia, citando melhorias no sistema elétrico geral desde a última grande seca que exigiu o racionamento.

"É possível que ocorram algumas dificuldades nos períodos de pico do sistema. Racionamento, achamos baixa a probabilidade, mas dependendo das chuvas até o final de novembro", disse ela.

A mudança climática e o aumento do risco resultante de eventos climáticos extremos, como a seca, significam que o setor elétrico precisa mudar a forma como opera, disse Waltrick.

Isso inclui o aumento da produção solar e eólica, mas modelos híbridos --como a integração de usinas hidrelétricas com painéis solares e baterias-- também são necessários, disse ela.

A Spic Brasil também está explorando a tecnologia de combustível hidrogênio no país.

A empresa planeja continuar expandindo sua atuação no gás natural, com a segunda fase do projeto GNA a ser lançada em 2025 e mais duas fases de expansão a depender de leilões federais de energia. A Spic detém uma participação de 33% no empreendimento, em parceria com BP, Siemens e Prumo Logística.

(Por Jake Spring)

PUBLICIDADE