PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Presidente do BoE vê cenário crescente para alta dos juros

27/09/2021 13h37

Por David Milliken

LONDRES (Reuters) - O presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Andrew Bailey, disse nesta segunda-feira que ele e outros membros do Comitê de Política Monetária veem caso crescente para aumentar as taxas de juros, ecoando comunicado publicado pelo banco central após a decisão de política monetária da semana passada.

"Todos nós acreditamos que será necessário algum endurecimento modesto da política monetária para ser consistente com o cumprimento da meta de inflação de forma sustentável no médio prazo", disse Bailey em discurso a ser proferido à Society of Professional Economists.

"Evidências recentes parecem ter fortalecido esse caso, mas permanecem incertezas substanciais, e estamos monitorando a situação de perto", acrescentou.

A economia britânica se recuperou fortemente de seu mergulho de quase 10% em 2020, causado pelo coronavírus e pelo fechamento de grande parte dos negócios pelo governo.

Na semana passada, o BoE disse que a defesa das taxas de juros mais altas parecia ter se fortalecido. O banco central também elevou a previsão de inflação para o fim deste ano acima de 4%, mais do que o dobro da meta.

O BoE disse esperar que o "overshoot" (quando a inflação supera a meta) seja temporário, mas dois membros do BC pediram suspensão imediata de seu programa de compra de títulos de 895 bilhões de libras (1,23 trilhão de dólares), que deve durar até o fim do ano.

Bailey disse que um grande desafio para o BoE seria distinguir entre aumentos pontuais nos níveis de preços e fatores que poderiam causar elevação de longo prazo na taxa anual de inflação.

"A política monetária não deve responder a choques de oferta que não se generalizem por meio de seu impacto sobre as expectativas de inflação", afirmou.

Os mercados financeiros agora embutem 100% de chance de aumento de 15 pontos-base nas taxas de juros na reunião do BoE de fevereiro de 2022 e outro aumento --que levaria a taxa para 0,5%-- até novembro de 2022.

(Por David Milliken e Andy Bruce)

PUBLICIDADE