PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Ibovespa mostra volatilidade com decisão do BC e balanços sob holofotes

28/10/2021 12h15

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A bolsa paulista não mostrava uma tendência clara nesta quinta-feira, com o Ibovespa já tendo oscilado nos campos negativo e positivo em meio a balanços corporativos trimestrais e decisão do Banco Central na véspera de aumentar o ritmo de alta da taxa básica de juros do país.

Às 12h, o Ibovespa caía 0,35%, a 105.994,66 pontos. Na máxima até o momento, chegou a subir a 107.019,70 pontos. Na mínima, caiu a 105.695,00 pontos.

Diante da deterioração do cenário fiscal, o BC promoveu uma alta de 1,5 ponto percentual na Selic na quarta-feira, ao patamar de 7,75% ao ano, numa tentativa de debelar as crescentes pressões inflacionárias. Em seu comunicado, indicou que deve repetir a dose em dezembro.

A bolsa tende a responder negativamente à perspectiva de juros mais altos no horizonte, entre outras razões, pelo efeito no custo de capital das empresas e potencial migração de recursos da renda variável para a renda fixa.

Desde a semana passada, vários bancos vinham revisando suas projeções para a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), com muitos já esperando o aumento de 1,5 ponto.

Ainda assim, para a equipe da Genial Investimentos, diante da decisão do governo de propor uma elevação do teto dos gastos e da perda da âncora fiscal daí decorrente, a decisão do BC foi "bastante tímida".

"O aumento do risco fiscal e o comportamento dos preços dos ativos financeiros na última semana, desvalorização do real, aumento das taxas de juros e queda dos preços das ações, mostram que a credibilidade da política fiscal atingiu um nível crítico", afirmou em nota a clientes.

Do ponto de vista gráfico, analistas do Itaú BBA afirmaram que se o Ibovespa perder o suporte em 106 mil pontos o movimento de baixa ganhará força em direção à mínima deixada na sexta-feira, em 102.850 pontos. Do lado da alta, precisará superar os 109.400 para retomar o movimento de recuperação.

DESTAQUES

- AMBEV ON avançava 7,3% após a fabricante de bebidas divulgar forte crescimento de receitas entre julho e setembro, quando atingiu os maiores volumes consolidados já registrados em um terceiro trimestre. Na máxima, a ação disparou quase 11%.

- BRF ON subia 4,9% em meio a especulações sobre potencial operação de fusão/aquisição envolvendo a Marfrig. O Bradesco BBI elevou a recomendação da ação para "outperform", destacando entre outros fatores documento sobre a venda para a Marfrig de 3,8% do capital de um único acionista da BRF.

- DEXCO ON caía 4,5% após a fabricante de painéis de madeira, revestimentos e louças sanitárias reportar menor volume de vendas em suas principais divisões de negócios no terceiro trimestre, embora reajustes de preços tenham ajudado seu lucro no período.

- MULTIPLAN ON valorizava-se 3% tendo de pano de fundo lucro líquido de 99,4 milhões de reais no terceiro trimestre, com crescimento em vendas mesmas lojas na base ano a ano e trimestral e melhora na taxa de ocupação em seus shopings frente ao trimestre anterior.

- TELEFÔNICA BRASIL ON registrava acréscimo de 0,9% na esteira de lucro acima das expectativas do mercado no terceiro trimestre, uma vez que seguiu ampliando sua base de telefonia móvel e manteve os custos sob controle.

- VALE ON perdia 0,2% em sessão com queda dos futuros do minério de ferro na China. A mineradora anunciou retomada das atividades na mina de Onça Puma, bem como notificação da SEC sobre procedimentos contra a empresa envolvendo gestão no desastre de em Brumadinho.

- ITAÚ UNIBANCO PN cedia 1% e BRADESCO PN perdia 0,5%.

- PETROBRAS PN recuava 0,4% em sessão de fraqueza dos preços do petróleo no mercado externo.

PUBLICIDADE