PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

China lança campanha para preencher lacuna no monitoramento de gases de efeito estufa

19/01/2022 11h20

Por Muyu Xu e David Stanway

(Reuters) - A China forçará os principais setores e regiões industriais a tomar medidas para medir as emissões de gases de efeito estufa como parte de uma nova iniciativa para melhorar a qualidade e a supervisão dos dados, de acordo com um documento do Ministério do Meio Ambiente revisado pela Reuters.

Sob o programa piloto, alguns dos maiores fornecedores de energia a carvão da China, siderúrgicas e produtores de petróleo e gás devem elaborar novos planos abrangentes de monitoramento de gases de efeito estufa até o fim deste ano.

Isso ocorre enquanto a China, o maior emissor de gases de efeito estufa do mundo, precisa aumentar sua medição de emissões de carbono de acordo com seu monitoramento de poluentes do ar para cumprir a promessa do presidente Xi Jinping de se tornar neutra em carbono por volta de 2060, dizem especialistas e ambientalistas.

"Em contraste com os poluentes atmosféricos, há uma grande lacuna nos relatórios sobre as emissões de CO2 - não há relatórios regulares que divulguem as emissões totais do país", disse Lauri Myllyvirta, analista-chefe do Centro de Pesquisa em Energia e Ar Limpo (CREA).

“Expandir o monitoramento e divulgação de emissões atualmente em vigor para poluentes do ar para CO2 seria um grande avanço”.

De acordo com o documento, datado de setembro de 2021 e fornecido à Reuters pelo Ministério da Ecologia e Meio Ambiente (MEE), o novo programa de monitoramento visa fornecer “apoio estatístico” para a luta do país contra as mudanças climáticas.

Cidades como Tangshan e Hangzhou, juntamente com regiões como Mongólia Interior e Yunnan, também receberam ordens para avaliar sua capacidade de atuar como sumidouros de carbono, incluindo taxas de cobertura florestal e mudanças no uso da terra.

O programa piloto, com conclusão prevista para os primeiros três meses de 2023, visa avaliar as melhores práticas de medição de gases de efeito estufa. Ele incluirá os setores de petróleo e gás, aço e energia térmica, bem como processamento de resíduos, e abrangerá gases-chave como metano e dióxido de carbono.

As empresas estatais envolvidas no programa piloto - incluindo a China Petrochemical Corp (Sinopec), a China National Petroleum Corp e a Shandong Energy Corp - não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

(Reportagem de Muyu Xu e David Stanway)