PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

S&P 500 e Nasdaq têm pior semana desde início da pandemia; Netflix despenca

21/01/2022 18h52

Por Lewis Krauskopf e Shreyashi Sanyal e Bansari Mayur Kamdar

(Reuters) - Os principais índices de Wall Street fecharam em forte baixa nesta sexta-feira, com as ações da Netflix despencando após resultados fracos, ao fim de uma semana brutal para as ações na qual o S&P 500 e o Nasdaq registraram suas maiores quedas percentuais semanais desde o início da pandemia, em março de 2020.

O S&P 500, considerado a referência do mercado de ações dos Estados Unidos, registrou sua terceira semana consecutiva de baixa e está 8,3% abaixo do recorde alcançado no início de janeiro.

As perdas também se aprofundaram para o Nasdaq depois que o índice --com forte peso de papéis de empresas de tecnologia-- mergulhou nesta semana em território de correção, em retração de mais de 10% ante o pico de novembro. O Nasdaq agora cai 14,3% em relação ao recorde e nesta sexta-feira fechou em seu nível mais baixo desde junho.

As ações da Netflix despencaram 21,8%, pesando sobre o S&P 500 e o Nasdaq, após a gigante do streaming prever um fraco crescimento no número de assinantes. As ações do concorrente Walt Disney caíram 6,9%, puxando o Dow, enquanto Roku perdeu 9,1%.

"Foi realmente uma continuação de um tumulto no setor de tecnologia", disse Paul Nolte, gestor de portfólio da Kingsview Investment Management.

O índice S&P 500 fechou em queda de 1,89%, a 4.397,94 pontos. O S&P ficou abaixo de sua média móvel de 200 dias, nível técnico importante, pela primeira vez desde junho de 2020.

O Dow Jones caiu 1,30%, a 34.265,37 pontos, em baixa pela sexta sessão consecutiva, mais longa sequência negativa desde fevereiro de 2020.

O índice de tecnologia Nasdaq Composite recuou 2,72%, a 13.768,92 pontos.

Na semana, o S&P 500 caiu 5,7%, o Dow recuou 4,6%, e o Nasdaq perdeu 7,6%.

As ações estão tendo um começo difícil em 2022, já que um rápido aumento nos rendimentos dos títulos do Tesouro em meio a preocupações de que o banco central dos EUA se tornará agressivo no controle da inflação atingiu particularmente as ações de tecnologia e de crescimento.

E investidores estão bastante atentos à reunião do Fed da próxima semana, em busca de mais clareza sobre os planos do banco central de apertar a política monetária nos próximos meses, depois de dados na semana passada mostrarem que os preços ao consumidor dos EUA em dezembro tiveram o maior aumento anual em quase quatro décadas.