PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Empresas migram para aumentos preventivos de estoque em meio a persistência de disrupções de oferta nos EUA

28/01/2022 16h55

Por Timothy Aeppel

(Reuters) - Cerca de dois anos após o início de uma pandemia que afetou as cadeias produtivas em todo o mundo, empresas dos Estados Unidos ainda lutam não apenas para produzir o suficiente para suprir a demanda atual, mas também para reabastecer as prateleiras de estoque. Esse acúmulo foi fundamental para o forte crescimento anualizado de 6,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no quarto trimestre, e o investimento em estoque contribuiu com 4,9 pontos percentuais, segundo o Departamento de Comércio dos EUA.

Os gastos mudaram de serviços para bens durante a pandemia, movimento que prejudicou as cadeias de suprimentos e esvaziou armazéns. Excluindo os estoques, o PIB cresceu a uma taxa mais modesta de 1,9% no último período.

Essa alta na demanda, juntamente com períodos de escassez, alimentou uma onda de inflação que, em 2021, aumentou em um ritmo não visto em quase 40 anos. Isso preparou o terreno para o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) cogitar a elevação das taxas de juros em março.

Abandonar o modelo de estoque "na hora" em favor de aumentar a oferta para manter os estoques reforçados fez sentido, disse Stephen Bullock, executivo-chefe da Power Curbers Companies, fabricante de equipamentos pesados ​​para construção de calçadas de concreto e outros projetos de infraestrutura.

Ele se referia a um sistema que visa comprar peças e materiais pouco antes de serem necessários --para minimizar o custo de armazenamento. O "just-in-time" evoluiu para um padrão mundial na era do comércio globalizado, amplamente adotado pelos EUA até ser minado pelo surgimento da Covid-19.

Desde o início da pandemia, muitas empresas se descobriram presas ao sistema quando pedidos que normalmente levavam semanas de repente levaram meses para chegar.

Problemas na cadeia produtiva estão pesando nos resultados de algumas companhias.

Na quinta-feira, as ações da Tesla Inc. caíram depois que a fabricante de carros elétricos informar que adiaria o lançamento de novos veículos até o próximo ano por causa de interrupções na cadeia de suprimentos que, segundo ela, poderiam continuar ao longo desse ano.

Antes, a General Electric Co. relatara queda na receita trimestral em meio à escassez na cadeia de suprimentos.

As empresas se tornaram criativas para lidar com os hiatos nos fornecimentos.

O presidente executivo da Rockwell Automation Inc., Blake Moret, disse que sua empresa aumentou a quantidade de "trabalho em andamento", a fim de manter trabalhadores montando mercadorias enquanto esperam por remessas dos escassos chips de computador. Os chips são adicionados logo antes do produto sair da fábrica.