PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Ibovespa cai após nova escalada de tensões na Ucrânia, Petrobras limita perdas

21/02/2022 18h59

Por Andre Romani

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da bolsa brasileira caiu nesta segunda-feira, acompanhando a reação global a renovados temores de possível invasão russa na Ucrânia, depois do reconhecimento pela Rússia de regiões rebeldes no país vizinho.

Ações do setor financeiro e da Americanas foram destaques de queda, enquanto Petrobras amenizou as perdas do índice.

O Ibovespa caiu 1,02%, a 111.725,30 pontos, terceira sessão seguida de queda. Com isso, o índice voltou a mostrar recuo em fevereiro. O volume financeiro foi de 18,3 bilhões de reais, abaixo da média recente, sem a referência das bolsas em Wall Street, fechadas devido a feriado nos Estados Unidos.

"Sem bolsa em Nova York, o mercado acionário no mundo perde força", disse Pedro Galdi, analista da Mirae Asset Corretora. Ele destacou o fluxo externo para empresas de commodities.

"A velha Bovespa ganha muito com o investidor estrangeiro entrando", acrescentou Gilvan Bueno, gerente educacional da Órama, citando Petrobras e Vale. Bueno citou o desempenho do câmbio, com o dólar caindo a 5,10 reais, como evidência da entrada de fluxo externo no país.

Os temores de invasão russa na Ucrânia cresceram nesta segunda-feira, após o presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinar decreto reconhecendo duas regiões separatistas do leste da Ucrânia como independentes. O Ocidente vê o movimento como pretexto para os russos enviarem tropas à área.

A União Europeia já fala em sanções contra os envolvidos no que representantes do órgão classificaram de "violação flagrante do direito internacional", e a Casa Branca deve anunciar medidas restritivas econômicas.

Mais cedo, militares russos disseram que tropas e guardas de fronteira impediram um grupo de "reconhecimento" de cruzar a fronteira da Rússia a partir da Ucrânia e que cinco pessoas foram mortas, segundo agências de notícias russas. A Ucrânia classificou a notícia como falsa.

Uma reunião de representantes de Rússia e EUA deve ocorrer nesta semana, caso não ocorra uma invasão, mas o Kremlin negou que haja planos concretos para uma cúpula entre os presidentes das duas nações.

O índice pan-europeu STOXX 600 fechou em queda de 1,3%, antes da assinatura do decreto por Putin.

DESTAQUES

- PETROBRAS PN e ON avançaram 2,6% e 2,7%, respectivamente, diante de alta nos preços do petróleo. PETRORIO ON ganhou 3,7% e 3R PETROLEUM ON fechou com acréscimo de 3,9%.

- AMERICANAS ON caiu 6,6%. A empresa suspendeu parte dos servidores da plataforma de comércio eletrônico após identificar riscos de "acesso não autorizado" no fim de semana. Os sites Americanas e Submarino ainda estavam fora do ar no fim da tarde desta segunda-feira. Analistas da XP destacaram que a notícia é marginalmente negativa, uma vez que o canal online representa cerca de 60% das receitas da empresa.

- VALE ON reduziu ganhos e fechou com alta de apenas 0,1%, enquanto siderúrgicas tiveram desempenho misto, após o minério de ferro voltar a subir na Ásia. Medidas de contenção de preços na semana passada empurraram para baixo as cotações da commodity.

- ITAÚ UNIBANCO PN caiu 2,45%, BRADESCO PN cedeu 1,2%, BANCO DO BRASIL ON perdeu 2,1% e SANTANDER BRASIL UNIT desvalorizou-se 1,2%.

- QUALICORP recuou 8,6%, maior queda desde agosto, e POSITIVO caiu 7,1%, terceira baixa seguida. Ambos ficaram entre outros destaques negativos.

- EMBRAER ON caiu 4,2% depois de anunciar pausa de três anos no programa de desenvolvimento do jato E175-E2 e divulgar dados operacionais.

- SABESP subiu 3,5%, quinta sessão seguida de alta.

- MARFRIG caiu 4,6%. O conselho de administração da empresa decidiu que a companhia deve exercer seus direitos e influenciar na administração da rival BRF, cujas ações cederam 2,6%.

(Por Andre Romani)