PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Dólar cai abaixo de R$5 com otimismo sobre fluxo, mas queda acende alerta

23/02/2022 17h23

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) -A quarta-feira foi de marcos no mercado de câmbio, com o dólar chegando a operar abaixo de 5 reais pela primeira vez em quase oito meses e fechando perto das mínimas do dia, em meio a um contínuo frisson pela divisa brasileira que tem como pano de fundo a busca de investidores internacionais por ativos considerados baratos e com maior potencial de rentabilidade.

O real liderou mais uma vez os ganhos entre as principais moedas globais, mas pares emergentes próximos, como os pesos mexicano, colombiano e chileno, também tiveram impulso, em parte pelo rali das commodities em curso e pela perspectiva de políticas monetárias mais apertadas nesses países--razões que também se aplicam ao Brasil.

O dólar à vista fechou em baixa de 0,94%, a 5,0033 reais. É o menor valor desde 30 de junho de 2021 (4,9764 reais).

Em dois momentos do dia --por volta de 11h e 16h (de Brasília)--, o dólar chegou a operar abaixo de 5 reais. Na mínima intradiária, pela tarde, a cotação desceu a 4,9944 reais, queda de 1,12%.

O dólar cai 5,70% em fevereiro e 10,23% no acumulado de 2022, dando ao real o melhor desempenho em ambos os períodos.

Segundo analistas, a taxa de câmbio segue se livrando de parte do prêmio de risco nela embutido, à medida que investidores veem mais valor no real devido ao juro elevado, que aguentaria o "desaforo" de incertezas outras, e à alta das commodities.

O IPCA-15 de fevereiro divulgado mais cedo veio mais alto que o esperado e endossou apostas em uma Selic mais elevada, o que poderia aumentar os já altos retornos de contratos de real, que estão em cerca de 12% na medida de um ano.

A título de comparação, a taxa de um ano para o peso chileno --que também tem sido destaque neste ano por motivos semelhantes ao do real, com alta de 7,7% no período, segundo melhor desempenho global-- estava em 7,1%.

"O real é uma das moedas que mais teve descolamento em relação a seus termos de troca, ao seu balanço externo", disse André Digiacomo, estrategista de juros e moedas para a América Latina do BNP Paribas.

"Sempre acreditamos que essa quebra (de correlação) nunca foi estrutural, mas que seria um movimento defasado. Em algum momento veríamos esse descolamento desaparecer e o real voltar a performar em linha com seu balanço externo... Isso está voltando a acontecer agora", completou.

E o câmbio ainda teria "gordura para queimar", considerando a taxa de 4,50 reais vista como de equilíbrio no modelo de longo prazo do BNP Paribas.

A taxa de 4,50 reais é compartilhada pelo Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), que vê espaço para mais fluxo de investimento estrangeiro direto no país (IDP) e coloca o real ainda como a moeda latino-americana mais desvalorizada.

Dados do Banco Central divulgados mais cedo mostraram que o IDP somou 4,709 bilhões de dólares em janeiro, acima dos 3,478 bilhões de dólares esperados pelo mercado.

Pelos dados da B3, o fluxo líquido do investidor estrangeiro na bolsa está positivo em 24,3 bilhões de reais em fevereiro, elevando o total em 2022 para 56,8 bilhões de reais.

E números para a movimentação do câmbio contratado apontam ingresso líquido de 5,200 bilhões de dólares neste mês até dia 18 --acima dos 4,539 bilhões de dólares do mesmo período do ano passado. No ano, são 6,692 bilhões de dólares em dinheiro novo.

AJUSTE À VISTA?

Porém, com a rápida queda do dólar --a moeda perde 12,42% desde a máxima de 5,7128 reais de 5 de janeiro deste ano--, o real pode agora estar caro, pelo menos de acordo com o modelo de curto prazo do BNP Paribas, que indica taxa de câmbio "justa" de 5,30 reais por dólar.

De acordo com o estrategista do banco francês, se os investidores estrangeiros parecem mais otimistas com a taxa de câmbio, os locais vão na direção contrária e estão se tornando "cada vez mais pessimistas".

"Há, enquanto isso, um aumento de posições negativas (no real). O risco é assimétrico", disse Digiacomo, referindo-se à percepção de mais chances de alta do dólar, com a moeda nos patamares atuais, do que de queda.

Pelo menos dois indicadores de análise técnica acenderam o sinal de alerta.

Uma medida de quão rápidos estão os movimentos da taxa de câmbio em relação a suas médias atingiu um nível extremo nesta quarta-feira, voltando a patamares de uma década atrás.

E uma medida da demanda por opções de compra de dólar ("calls") em relação a opções de venda ("puts") voltou a subir nesta sessão, aproximando-se de uma máxima desde setembro do ano passado. Na prática, isso mostra maior posicionamento do mercado em prol de uma correção para cima na cotação do dólar.

(Edição de Isabel Versiani)