PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Desemprego no Brasil cai no 4º tri, mas rendimento é o menor da série

24/02/2022 09h02

Por Camila Moreira e Rodrigo Viga Gaier

(Reuters) - O Brasil encerrou o quarto trimestre de 2021 com recuo da taxa de desemprego para o nível mais baixo desde o final de 2019, mas ainda com 12 milhões de desempregados e com o menor nível histórico do rendimento real.

A pesquisa Pnad Contínua mostrou que a taxa de desemprego atingiu 11,1% nos três meses até dezembro, de 12,6% no terceiro trimestre e 11,6% no trimestre até novembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

Esse resultado é o mais baixo desde o quarto trimestre de 2019, mostrando que o mercado de trabalho vem se recuperando dos problemas causados pela pandemia de coronavírus mesmo com a sazonalidade de fim de ano.

No mesmo período de 2020, a taxa era de 14,2% e o resultado do final do ano passado ficou pouco abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters de 11,2%.

A taxa média anual foi de 13,2%, abaixo dos 13,8% de 2020, ano em que o mercado de trabalho sentiu os maiores impactos da pandemia de coronavírus, mas ainda a segunda maior da série histórica iniciada em 2012.

Ainda assim, o patamar pré-Covid ainda não foi recuperado, de acordo com o IBGE, já que em 2019 a taxa média foi de 12%.

"Em 2021, com o avanço da vacinação e a melhora no cenário, houve crescimento do número de trabalhadores, mas ainda persiste um elevado contingente de pessoas em busca de ocupação”, disse a coordenadora do IBGE Adriana Beringuy.

“É um ano de recuperação para alguns indicadores, mas não é o ano de superação das perdas, até porque a pandemia não acabou, e seus impactos, ainda em curso, afetam diversas atividades econômicas e o rendimento do trabalhador", completou.

Apesar dos indícios de melhora no mercado de trabalho, a inflação alta vem corroendo a renda real, com o rendimento dos trabalhadores encerrando 2021 no menor nível da série histórica.

Nos três meses até dezembro, o rendimento dos trabalhadores foi de 2.447 reais, uma queda de 3,6% frente ao trimestre anterior e de 10,7% em relação ao mesmo período de 2020.

Na média do ano, o rendimento médio recebido pelas pessoas foi de 2.587 reais, uma retração de 7,0% frente a 2020.

12 MILHÕES

No quarto trimestre, o número de pessoas desempregadas no Brasil era de 12,011 milhões, uma queda de 10,7% em relação aos três meses até setembro e de 16,7% sobre o ano anterior.

“Nesse período, costuma haver redução da desocupação devido à maior absorção de trabalhadores em atividades como comércio e alojamento e alimentação. Somado a isso, há um processo de recuperação da ocupação em curso desde agosto do ano passado”, destacou Beringuy.

Já o total de ocupados aumentou 3% na comparação trimestral, a 95,747 milhões, recorde da série histórica, com avanço de 9,8% sobre o quarto trimestre de 2020.

"Recorde de ocupação com recorde de queda do rendimento tem a ver com questões que marcaram 2021. Há mais pessoas no mercado, mas tem uma parcela expressiva de informais, e ainda temos um processo inflacionário acentuado em 2021. Os trabalhadores que estão entrando no mercado, informal ou formal, estão ganhando menos", explicou a coordenadora do IBGE.

Os trabalhadores com carteira assinada no setor privado cresceram 2,9% em relação ao terceiro trimestre, enquanto os que não tinham carteira aumentaram 6,4%.

Entre as atividades, houve aumento da ocupação no comércio (3,4%, ou 602 mil pessoas), outros serviços (11,8%, ou mais 521 mil pessoas) e informação e comunicação (3,3%, ou mais 367 mil pessoas). A indústria mostrou estabilidade no quarto trimestre.

Na média do ano, o maior crescimento percentual veio da construção, de 13,8%, ou 845 mil pessoas a mais. O comércio, bastante impactado pela pandemia, teve ganho de 5,4% na comparação com 2020, um acréscimo de 881 mil pessoas, mas o contingente de trabalhadores ainda ficou abaixo do de 2019.

A indústria também não conseguiu recuperar as perdas de 2020 --houve aumento de 3,9% ou de 446 mil pessoas trabalhando no setor, mas na comparação com 2019, o número de trabalhadores caiu 3,1%.

O ano de 2021 também apresentou recuperação da ocupação dos setores de serviços, também muito afetados pelas medidas de contenção da pandemia, com destaque para os serviços domésticos, com aumento 6,7% ou 327 mil pessoas.