PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Exportações superam importações em US$ 4,9 bi em maio, acima do esperado

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2022, o saldo comercial ficou positivo em 25,129 bilhões de dólares - Por Bernardo Caram
No acumulado dos cinco primeiros meses de 2022, o saldo comercial ficou positivo em 25,129 bilhões de dólares Imagem: Por Bernardo Caram

Bernardo Caram

13/06/2022 15h03

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - A balança comercial brasileira registrou superávit de 4,944 bilhões de dólares em maio, informou o Ministério da Economia nesta segunda-feira, em mês marcado por forte aceleração de preços dos produtos comercializados, levando a recordes de exportação e importação.

Pesquisa da Reuters com economistas apontava expectativa em valor ligeiramente inferior, com saldo positivo de 4,566 bilhões de dólares para o período.

O número do mês passado é resultado de 29,648 bilhões de dólares em exportações, e 24,704 bilhões de dólares em importações. Os dois indicadores são recorde para todos os meses da série histórica iniciada em 1997.

O saldo comercial, por sua vez, foi menor do que o observado em maio de 2021 (8,5 bilhões de dólares) e de 2020 (6,8 bilhões de dólares).

Os números do mês passado refletem uma forte aceleração dos preços dos produtos. O valor total das exportações brasileiras cresceu 8% na comparação com maio de 2021, resultado de uma alta de 21,9% nos preços dos itens vendidos, combinada a um recuo de 7,9% na quantidade embarcada.

As importações cresceram 33,5%, diante de um salto de 35,7% nos preços, simultaneamente a uma sutil alta de 0,1% nas quantidades compradas.

No recorte por setor, houve crescimento de 19,4% nas exportações da indústria de transformação e de 0,2% na agropecuária. A indústria extrativa teve valor médio reduzido em 4,5%.

A Ásia teve queda significativa nas compras feitas do Brasil, reduzindo sua participação nas exportações de 51% do total em maio de 2021 para 41,8% no mês passado.

"A queda (de venda) de soja, minério de ferro e petróleo ajuda a explicar essa menor exportação para a Ásia, principalmente a China", disse o subsecretário de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Herlon Brandão. "Não acreditamos que essa redução de exportação para a Ásia seja uma tendência."

Brandão citou a queda da atividade econômica na China, com nova onda de Covid-19, como causadora de uma redução nas cotações de minério de ferro e nos volumes comprados pelos chineses. Segundo ele, a venda menor de soja está relacionada a uma redução de oferta pelo Brasil.

A fatia da América do Norte nas exportações brasileiras subiu de 13,5% para 14%, enquanto a Europa teve alta de 17,4% para 20,3% e a América do Sul, de 10,6% para 12,2%.

Brandão destacou o forte crescimento das vendas de petróleo bruto à Europa, em meio ao conflito entre Rússia e Ucrânia, com alta de 115% nas exportações do produto pelo Brasil aos europeus.

No acumulado dos cinco primeiros meses de 2022, o saldo comercial brasileiro ficou positivo em 25,129 bilhões de dólares. Na divulgação dos dados de março, o Ministério da Economia revisou a projeção para o resultado da balança em 2022, impulsionada por melhor perspectiva para as exportações. De acordo com a estimativa da pasta, o saldo comercial do ano deve ficar positivo em 111,6 bilhões de dólares ante projeção de 79,4 bilhões de dólares feita em janeiro.

De acordo com Brandão, muito provavelmente, o governo revisará para baixo sua projeção para o saldo comercial em 2022 porque a importação vem crescendo acima das previsões anteriores. A nova projeção será apresentada em julho.