PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Vendas fortes abalam mercado de Treasuries e curva de rendimentos se inverte

13/06/2022 07h46

Por Yoruk Bahceli e Sujata Rao

(Reuters) - Os rendimentos dos Treasuries de dois anos subiram acima dos custos de empréstimos de 10 anos nesta segunda-feira - a chamada inversão de curva que geralmente prenuncia uma recessão econômica - devido às expectativas de que os juros podem subir mais rápido e mais do que o previsto.

Os receios de que o Federal Reserve dos EUA possa optar por um aumento dos juros ainda maior do que o previsto esta semana para conter a inflação levaram os rendimentos de dois anos para seus níveis mais altos desde 2007.

Ao mesmo tempo, a percepção de que aumentos agressivos dos juros poderiam aumentar os riscos de recessão estava surgindo.

A diferença entre os rendimentos dos Treasuries de dois e dez anos chegou a cair para -2 pontos básicos nesta segunda, de acordo com a Tradeweb. A curva havia se invertido há dois meses pela primeira vez desde 2019 antes de se normalizar.

Uma inversão desta parte da curva de rendimento é vista por muitos como um sinal confiável de que uma recessão pode acontecer próximo ano ou dois.

O movimento segue-se a inversões na sexta-feira nas faixas de três anos/10 anos e cinco anos/30 anos da curva dos Treasuries, depois de dados mostrarem que a inflação continuou a acelerar em maio.

Os rendimentos das notas dois anos subiram para uma máxima de 15 anos em torno de 3,25%, enquanto os rendimentos de 10 anos atingiram o mesmo nível, o mais alto desde 2018.

Dados na sexta-feira mostraram o maior aumento anual da inflação nos Estados Unidos em quase 40 anos e meio, destruindo as esperanças de que o Federal Reserve poderia interromper sua campanha de aumento dos juros em setembro. Muitos consideram que o Banco Central pode na verdade precisar aumentar o ritmo de aperto.

Os juros futuros apontam agora uma chance de 20% de um movimento de 0,75 ponto percentual nesta semana o que, se implementado, seria o maior aumento em uma só reunião desde 1994