PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Corte de tributo dá margem para empresário não reajustar preços, não é tabelamento, diz Guedes

Ministro disse não ter dúvida de que Europa e Estados Unidos entrarão em recessão econômica - Por Bernardo Caram
Ministro disse não ter dúvida de que Europa e Estados Unidos entrarão em recessão econômica Imagem: Por Bernardo Caram

Bernardo Caram

Reuters, Brasília

14/06/2022 10h22

Reduções de tributos implementadas pelo governo dão margem para que preços não sejam reajustados a todo momento, mesmo que os custos subam, disse nesta terça-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes, defendendo que não há ideia de tabelamento de preços no governo.

Em apresentação no Fórum de Investimentos Brasil, Guedes também disse não ter dúvida de que Europa e Estados Unidos entrarão em recessão econômica enquanto o Brasil começa a decolar.

Na última semana, o ministro da Economia e o presidente Jair Bolsonaro fizeram apelo a empresários para que comprimam margens de lucro neste ano com o objetivo de segurar a inflação.

"Aprovamos ontem no Senado a redução do ICMS, já tínhamos feito a redução do IPI. Quando você reduz o IPI e o ICMS, você está dando uma margem de folga, mesmo que os custos subam, para não ficar reajustando o preço toda hora, foi nesse sentido que eu falei, não tem nada a ver com tabelamento", afirmou. "Quem congelou preço no passado tem esse fantasma na cabeça pelo desastre que causou na economia", disse.

Na apresentação, Guedes disse que o mundo vive mar turbulento que não deve melhorar tão cedo, ao contrário, com agravamento da situação econômica global.

Na avaliação do ministro, a inflação vai subir muito no exterior, vai haver recessão em economias avançadas e um cenário com bancos centrais subindo juros, bolsas caindo e muita crise.

Guedes ressaltou que tem afirmado a autoridades norte-americanas que os Estados Unidos estão atrás da curva de juros e "têm pouquíssimo a ensinar" ao Brasil.

Ele voltou a dizer, porém, que a crise gera oportunidade para o Brasil, com o redesenho das cadeias globais de valor, que traz novas exigências de proximidade geopolítica e logística para relações entre países do Ocidente.

Depois de dizer que o governo vendeu ativos de distribuição de combustíveis da Petrobras, o ministro afirmou, sem dar detalhes, que agora é necessário quebrar o monopólio da estatal em transporte. Para ele, ao fim do processo, a Petrobras deve ficar limitada à atividade de extração de petróleo e poderá ser privatizada.

O ministro falou novamente que em eventual segundo mandato do presidente Jair Bolsonaro o governo criará um fundo com recursos provenientes da venda de ativos da União para financiar investimentos públicos e repasses sociais.