PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

CSD BR planeja maior concorrência com B3, após nova instrução da CVM

15/06/2022 19h48

(.)

SÃO PAULO (Reuters) - A registradora de ativos CSD BR planeja ampliar suas operações nos próximos meses para incluir mais negócios como liquidação e depósito, o que deve aumentar a concorrência com a B3, disse o presidente e fundador da companhia.

Em operação desde 2020, a CSD se apresenta como registradora de ativos complexos e de menor liquidez como CDBs, contratos a termo de moedas (NDFs) e swaps cambiais. Desde então, incluiu também apólices de seguro e gravames, nicho liderado pela antiga Cetip, que hoje faz parte da B3.

Criada em 2018 tendo como sócios membros das famílias controladoras de Gerdau e Suzano, entre outras, a CSD BR no começo deste ano passou a ter como investidores minoritários o BTG Pactual e a corretora de seguros do Santander Brasil.

Atualmente, a CSD BR afirma ter cerca de 23 bilhões de reais em ativos registrados. Em outra frente, a plataforma espera receber nos próximos meses de Banco Central e Comissão de Valores Mobiliários (CVM) licenças para operações de liquidação e depósito de ativos, também atividades exercidas pela operadora brasileira de bolsa.

Agora, com a atualização de regras sobre negociação de ativos em mercados regulados, divulgada pela CVM na última sexta-feira, as condições para uma concorrência mais aberta por parte das plataformas ficam mais claras, disse o fundador e presidente da CSD BR, Edivar Queiroz Filho.

"As regras sobre interoperabilidade entre mercados são um sinal monstruoso de que o regulador está aberto para que concorrentes ofereçam serviços", disse Queiroz à Reuters, embora tenha frisado que a CSD BR por ora não prevê operar com ações.

Além da interoperabilidade, a Instrução 461 atualizada reitera que cada plataforma deve ter seu próprio aparato de autorregulação, em vez de concentrar tudo na BSM, da B3. O arcabouço também abre caminho para que a negociação de grandes lotes de ações ocorra em ambientes fora da B3.

A CVM ainda sinalizou que deve voltar ao tema da internalização de ordens, o que na prática permite que negócios entre participantes numa registradora ocorram fora do ambiente de bolsa.

(Por Aluísio Alves)