PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Goldman Sachs eleva probabilidade de recessão nos EUA a 30% ao longo de 2023

Goldman Sachs vê uma chance de 30% de a economia norte-americana entrar em recessão no próximo ano, acima de sua previsão anterior de 15% - Getty Images
Goldman Sachs vê uma chance de 30% de a economia norte-americana entrar em recessão no próximo ano, acima de sua previsão anterior de 15% Imagem: Getty Images

Pushkala Aripaka e Siddarth S

Em Bengaluru

21/06/2022 08h41Atualizada em 21/06/2022 09h55

O Goldman Sachs vê uma chance de 30% de a economia norte-americana entrar em recessão ao longo do próximo ano, acima de sua previsão anterior de 15%, em meio a uma inflação recorde e um cenário macroeconômico fraco alimentado pela invasão russa da Ucrânia.

A última previsão chega cerca de uma semana depois que o Federal Reserve fez sua maior alta de juros desde 1994 para conter o aumento da inflação, e no momento em que vários outros bancos centrais também tomam medidas agressivas para apertar a política monetária.

O Goldman Sachs também rebaixou suas estimativas do PIB dos EUA abaixo do consenso para os próximos dois anos.

"O Fed tem antecipado os aumentos de juros de forma mais agressiva, as expectativas para a taxa terminal aumentaram, e as condições financeiras se tornaram mais apertadas e agora indicam um peso substancialmente maior sobre o crescimento - um pouco mais do que pensamos ser necessário", disseram os economistas do Goldman em uma nota na segunda-feira.

"Vemos agora uma probabilidade de 30% de recessão ao longo do próximo ano (ante 15% antes) e probabilidade condicional de 25% entrar em recessão no segundo ano se a evitarmos no primeiro ano, indicando uma probabilidade cumulativa de 48% para o horizonte de dois anos (ante 35% antes)", disseram os economistas.

"Estamos cada vez mais preocupados que o Fed se sinta obrigado a responder energicamente à inflação elevada e às expectativas de inflação dos consumidores se os preços da energia subirem ainda mais, mesmo que a atividade diminua drasticamente", acrescentou.

(Reportagem de Pushkala Aripaka e Siddarth S em Bengaluru)