IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Fed define destino da política monetária em meio a sinais mistos sobre força da economia dos EUA

12/12/2022 10h57

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - Depois de tentar domar a inflação ao longo do ano passado com uma mudança de política monetária urgente em meio ao aumento implacável dos preços, o Federal Reserve agora enfrenta uma decisão mais sutil sobre se a economia está forte o suficiente para suportar juros ainda mais altos ou se esta à beira do colapso.

O mercado financeiro e os analistas profissionais parecem preparados para a última opção. Investidores norte-americanos, dos mais arrojados aos mais conservadores, perderam mais de 8 trilhões de dólares este ano, à medida que o mercado murcha sob os aumentos mais rápidos dos juros do Fed em 40 anos. O mercado de títulos parece convencido de que uma recessão está chegando, e economistas, em pesquisas da Reuters e em outros meios, concordam.

Mas esse ambiente aparentemente estressado também está sustentando as taxas de desemprego que estão mínimas recordes para os latinos e quase recordes para os negros. Os ganhos salariais estão fortes e o consumo, pilar do crescimento econômico dos EUA, continua a crescer mesmo após o ajuste pela inflação.

Muitos fatores influenciam quando e se a economia entra em recessão, mas invariavelmente envolverá aumento do desemprego e queda do consumo.

“A economia nunca foi tão mal amada quanto agora”, escreveu Bob Schwartz, economista sênior da Oxford Economics, em uma análise recente que expôs o conjunto “bipolar” de circunstâncias que as autoridades do Fed analisarão em sua reunião de política monetária de dois dias esta semana.

A confiança do consumidor está péssima, pior do que quando a economia estava no auge da pandemia, mas as contas bancárias e os gastos permanecem saudáveis; a manufatura está se contraindo, mas o setor de serviços ruge com o crescimento mensal do emprego e dos salários para provar isso; há alguma evidência de que a inflação está diminuindo, com os preços da gasolina de volta onde estavam há um ano, mas ainda é mais alto do que muitos já viram em suas vidas e continua esticando os orçamentos domésticos por meio do aumento de alimentos e outros custos.

Há evidências suficientes de fraqueza para alimentar uma narrativa de recessão iminente.

Mas também há evidências suficientes de força para contar uma história de crescimento contínuo.

As autoridades do Fed receberão novos dados de preços ao consumidor quando sua reunião começar na terça-feira, e esperam que isso mostre uma desaceleração contínua das altas de preços depois que a inflação anual caiu abaixo de 8% pela primeira vez em oito meses em outubro.

Eles sinalizaram planos para continuar elevando os juros neste momento, enquanto tentam esfriar a economia e manter os preços sob controle. Mas eles também planejam avançar com aumentos menores. Depois que uma série de grandes elevações de 75 pontos-base no juros este ano empurraram a taxa básica de quase zero em março para uma faixa entre 3,75% e 4%, as autoridades do Fed devem aderir a 50 pontos-base durante a reunião de dois dias que se encerra na quarta-feira.

A decisão de avançar em etapas menores é um reconhecimento das autoridades do Fed de que eles podem estar perto de um ponto de parada após os movimentos agressivos dos juros deste ano e que cada passo a partir daqui aumenta os riscos de ir longe demais.

Até o momento, as autoridades do Fed não sentem que ultrapassaram os limites.

Isso não significa que não vão. Juntamente com a última decisão sobre a taxa, o Fed na quarta-feira fornecerá projeções atualizadas sobre como as autoridades acham que os juros podem precisar se mover, quanto tempo eles permanecerão estáveis e como a economia responderá. É uma perspectiva que mostrará se o banco central ainda acredita que pode reduzir a inflação sem causar sérios danos ao mercado de trabalho e dará o tom do debate econômico dos EUA nos estágios iniciais da campanha presidencial de 2024.

Os investidores em títulos parecem ter feito suas apostas, com as curvas de rendimento da taxa de juros "invertidas", no que tradicionalmente é visto como um sinal de que uma recessão está chegando.

De qualquer forma, é provável que 2023 conte a história.

O chair do Fed, Jerome Powell, se recusou a apostar no resultado, dizendo apenas que um pouso suave continua sendo "plausível".

(Reportagem de Howard Schneider)