IPCA
0,26 Set.2023
Topo

Walmart mantém preços de alimentos estáveis em meio a inflação e alegações antitruste

05/05/2023 15h55

Por Siddharth Cavale

NOVA YORK (Reuters) - Uma nova análise da estratégia de preços do Walmart revela que a empresa manteve os preços de alimentos mais baixos do que os concorrentes de forma consistente, ao mesmo tempo em que aumentava os preços em taxas muito abaixo da inflação nos Estados Unidos, mesmo enfrentando alegações de usar sua influência para obter vantagens injustas sobre os rivais.

A empresa de análise de dados Dataweave comparou os preços de 589 produtos de marca em 34 categorias, incluindo café, sopa, cereais, produtos de panificação, pilhas, itens de cuidado pessoal e ração para pets exclusivamente para a Reuters.

A empresa analisou os preços tanto nas lojas físicas quanto nas plataformas online do Walmart, Kroger, Target e Amazon, para os itens todos os dias, a fim de chegar a um preço médio para cada mês entre janeiro de 2022 e o final de fevereiro de 2023.

Durante o período, enquanto a inflação dos Estados Unidos teve uma média de 7,5%, a análise da Dataweave mostra que o Walmart manteve os preços estáveis.

O preço médio dos produtos vendidos nas lojas físicas da Walmart e no site Walmart.com aumentou 3% em média nos 14 meses até fevereiro de 2023, em comparação com um aumento de 7,5% para os mesmos produtos vendidos na Amazon e 9% na Kroger e Target, disse Krishnan Thyagarajan, diretor de operações da Dataweave.

"Os dados mostram o poder do Walmart sobre os fornecedores e seu potencial para ganhar participação de mercado de rivais como a Amazon", disse Parul Jain, professora de finanças e economia na Rutgers Business School, que analisou os dados para a Reuters.

Em um e-mail à Reuters, o Walmart disse que os dados "apoiam nosso compromisso com o 'Preço Baixo Todo Dia'", referindo-se à estratégia da empresa de estabelecer preços baixos nos produtos em vez de depender de descontos e promoções para impulsionar as vendas.

A Associação Nacional de Supermercados e a Associação de Atacadistas de Supermercados, que representam cadeias de supermercados independentes e regionais dos Estados Unidos, têm instado nos últimos anos os parlamentares federais e reguladores a reduzir a influência dos gigantes do setor, incluindo o Walmart, sobre os fornecedores e a aplicar com mais rigor uma lei que proíbe a discriminação de preços pelos fabricantes em relação aos varejistas.

Na semana passada, consumidores e varejistas processaram a Walmart e o fabricante de baterias Energizer por supostamente conspirarem para aumentar os preços de baterias descartáveis. De acordo com o processo, a Energizer concordou "sob pressão do Walmart" em inflacionar os preços de atacado das baterias para outros varejistas a partir de janeiro de 2018 e exigiu que esses varejistas não vendessem as baterias mais baratas do que o Walmart.

Em um e-mail à Reuters na quinta-feira, o Walmart disse que leva "alegações como essa a sério e responderá no tribunal conforme apropriado".

(Reportagem de Siddharth Cavale em Nova York)