IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA saltam para o nível mais alto desde o final de 2021

11/05/2023 09h52

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego saltou na semana passada para o nível mais alto desde o final de 2021, sugerindo que a taxa de juros mais alta está começando a pesar no mercado de trabalho.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego aumentaram em 22.000 na semana encerrada em 6 de maio, para 264.000 com ajuste sazonal, leitura mais alta desde outubro de 2021, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira.

Economistas consultados pela Reuters previam 245.000 reivindicações para a última semana. As reivindicações se estabilizaram após o aumento em março, devido a demissões em massa no setor de tecnologia no final de 2022. Também houve cortes de pessoal em setores sensíveis às taxas de juros, como o imobiliário.

As reivindicações, que permanecem abaixo do nível de 270.000-300.000 que os economistas dizem que sinalizaria uma deterioração no mercado de trabalho, devem aumentar consideravelmente na segunda metade do ano, à medida que os efeitos cumulativos e defasados dos aumentos da taxa de juros pelo Federal Reserve afetam a economia.

O mercado de trabalho continua apertado, com 1,6 vaga para cada desempregado em março, bem acima da faixa de 1,0-1,2, consistente com um mercado de trabalho que não está gerando muita inflação.

O Fed elevou sua taxa de juros de referência em 500 pontos-base desde março de 2022, para a faixa de 5,00% a 5,25%, e na semana passada sinalizou que poderia interromper sua campanha de aperto monetário mais rápida desde a década de 1980.

O número de pessoas recebendo benefícios após uma semana inicial de auxílio, medida para contratação, aumentou em 12.000, para 1,813 milhão, durante a semana encerrada em 29 de abril, mostrou o relatório.

(Reportagem de Lucia Mutikani)