IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Vendas no varejo dos EUA ficam abaixo das expectativas em abril

16/05/2023 09h56

WASHINGTON (Reuters) - As vendas no varejo dos Estados Unidos aumentaram menos do que o esperado em abril, mas a tendência subjacente foi sólida, sugerindo que os gastos do consumidor provavelmente permaneceram fortes no início do segundo trimestre, apesar dos riscos crescentes de uma recessão neste ano.

As vendas no varejo subiram 0,4% no mês passado, informou o Departamento de Comércio nesta terça-feira. Os dados de março foram revisados ligeiramente para baixo para mostrar que as queda de 0,7%, em vez de 0,6% conforme relatado anteriormente. Economistas consultados pela Reuters previam uma alta de 0,8% nas vendas.

As vendas no varejo são principalmente mercadorias, que normalmente são compradas a crédito e não são ajustadas pela inflação. Serviços de alimentação e locais para beber são a única categoria de serviços no relatório de vendas no varejo.

O aumento nas vendas no varejo somou-se ao forte crescimento do emprego em abril, sugerindo que a economia estava passando por uma recuperação na primavera após a desaceleração da atividade em fevereiro e março. Os gastos estão sendo sustentados por fortes ganhos salariais, graças a um mercado de trabalho apertado.

Algumas famílias ainda têm poupanças acumuladas durante a pandemia de Covid-19. Os economistas estão prevendo uma recessão à medida que os efeitos acumulados e defasados da campanha de aumento mais rápido da taxa de juros do Federal Reserve desde a década de 1980 para domar a inflação começam a ter um impacto mais amplo na economia.

Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços de alimentação, as vendas no varejo tiveram alta de 0,7% no mês passado. Os dados de março foram revisados ligeiramente para baixo para mostrar queda de 0,4% dessa medida, em vez de 0,3% conforme relatado anteriormente.

O núcleo das vendas no varejo corresponde mais de perto ao componente de gastos do consumidor do Produto Interno Bruto. Os gastos do consumidor, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, aceleraram no primeiro trimestre, compensando o empecilho ao crescimento do PIB decorrente da liquidação de estoques.

(Reportagem de Lucia Mutikani)