IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Dólar cai ante real com fluxo de entrada de moeda no Brasil

22/05/2023 17h10

Por Fabricio de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - Após duas sessões de ganhos, o dólar à vista fechou esta segunda-feira em baixa ante o real, com um fluxo de entrada da moeda norte-americana mantendo as cotações abaixo dos 5 reais, na contramão do exterior, onde a divisa dos Estados Unidos subia.

O dólar à vista fechou o dia cotado a 4,9714 reais na venda, com baixa de 0,47%.

Na B3, às 17:16 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,59%, a 4,9800 reais.

No exterior, o viés era de alta para o dólar ante outras divisas, com investidores reagindo ao impasse nas negociações sobre o limite da dívida dos EUA e a declarações de um integrante do Federal Reserve sobre juros.

No fim de semana, o presidente dos EUA, Joe Biden, classificou como "inaceitáveis" as últimas ofertas dos republicanos para elevar o teto da dívida do governo, mas disse que está disposto a cortar gastos e a realizar ajustes fiscais de modo a alcançar um consenso.

Já o presidente do Fed de Saint Louis, James Bullard, afirmou que o banco central norte-americano pode precisar elevar em meio ponto percentual sua taxa básica ainda este ano, por conta da inflação.

Esses fatores faziam o dólar avançar ante uma cesta de moedas e divisas como o peso mexicano < MXNUSD=R> e a lira turca < TRYUSD=R>, mas a moeda norte-americana se manteve em baixa ante o real durante praticamente todo o dia.

Às 9h14, o dólar marcou a cotação máxima da sessão no Brasil, de 5,0069 reais (+0,24%). Dois profissionais ouvidos pela Reuters citaram que, próximo deste ponto, exportadores aproveitaram para vender a moeda norte-americana.

“Perto dos 5,00 reais, tinha bastante exportador vendendo (moeda), tanto no pronto (mercado à vista) quanto em operações de futuro. Em função disso, o dólar descolou um pouco do exterior”, comentou Jefferson Rugik, diretor da Correparti Corretora.

À tarde, o dólar aprofundou as perdas ante o real e chegou a marcar a mínima de 4,9537 (-0,82%) às 14h53. Depois, encerrou a sessão em patamar um pouco mais alto, mas ainda no negativo.

Um profissional ouvido pela Reuters afirmou que o otimismo em torno do andamento do novo arcabouço fiscal no Congresso contribuiu, em parte, para a queda do dólar no Brasil.

Pela manhã, outro profissional avaliou que a expectativa de manutenção da taxa básica Selic, atualmente em 13,75% ao ano, em patamares ainda elevados no curto prazo continuava beneficiando o real em relação ao dólar.

Esta leitura ocorria a despeito de, no relatório de mercado Focus, a mediana da inflação para 2023 ter ido de 6,03% para 5,80%; no caso de 2024, de 4,15% para 4,13%.

Em evento nesta segunda-feira, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que tem observado uma desaceleração grande na inflação brasileira, mas que o núcleo dos preços ainda segue muito alto e as expectativas de elevação dos preços permanecem elevadas.

No exterior, no fim da tarde, o dólar se mantinha em alta ante uma cesta de moedas, apesar de ter sinais mistos em relação a outras divisas.

Às 17:16 (de Brasília), o índice do dólar --que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas-- subia 0,19%, a 103,240.

Pela manhã, o Banco Central vendeu todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de julho.