ANÁLISE-Inflação sustentada pode forçar BC do Japão a ajustar política monetária

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O Banco do Japão está sob um dilema devido às crescentes perspectivas de inflação sustentada, que fomentaram o cenário para um ajuste precoce em sua política de controle de rendimentos, apesar das garantias do presidente do banco central, Kazuo Ueda, de que manteria "pacientemente" os estímulos monetários massivos.

O primeiro teste virá na reunião de política monetária do banco central em 27 e 28 de julho, quando o conselho provavelmente revisará suas projeções de inflação e sinalizará sua convicção de que um aumento de preços impulsionado pela demanda, apoiada pelo crescimento dos salários, está ocorrendo.

O Banco do Japão tem discutido internamente a ideia de ajustar o controle da curva de rendimento já neste mês, embora as conversas sejam preliminares e nenhuma decisão final tenha sido tomada, disseram duas fontes familiarizadas com seu pensamento.

"É verdade que as discussões estão em andamento. Mas não há clareza sobre qual seria a decisão final", disse uma das fontes sobre a chance de uma mudança em julho.

Qualquer ajuste provavelmente será uma pequena mudança para aumentar um limite definido para a meta de rendimento, em vez de uma revisão da política monetária ultrafrouxa, disse uma segunda fonte. As fontes falaram sob condição de anonimato devido à sensibilidade do assunto.

Esse ajuste fino por si só provavelmente causaria poucos danos à economia do Japão, com o bombeamento maciço de dinheiro pelo banco central mantendo as taxas de hipoteca e os custos de empréstimos corporativos muito baixos.

Mas mesmo uma pequena mudança na prolongada política ultrafrouxa do Japão poderia derrubar os mercados financeiros globais, pois simbolizaria como a inflação alta está finalmente forçando o Banco do Japão a ceder.

Enquanto outros bancos centrais globais têm aumentado agressivamente as taxas de juros para conter a alta dos preços, o banco central japonês tem sido um caso atípico, argumentando que o recente salto na inflação reflete fatores externos como os preços do petróleo e pode não durar.

Continua após a publicidade

Ultimamente, no entanto, as autoridades do Banco do Japão têm descartado sinais de que a inflação está sendo cada vez mais impulsionada pela melhora da demanda do consumidor. Se essa força puder ser sustentada, isso poderia justificar a Ueda se afastar do maciço estímulo monetário de seu antecessor.

Deixe seu comentário

Só para assinantes