FMI diz que alta do dólar atingiu mercados emergentes com mais força do que economias avançadas

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - As economias de mercados emergentes sofreram o impacto do dólar mais forte em duas décadas em 2022, um salto que as atingiu com saídas de capital, preços de importação mais altos e condições financeiras mais apertadas, disse o Fundo Monetário Internacional nesta quarta-feira.

O FMI disse que uma nova pesquisa em seu relatório anual do setor externo mostra que a alta do dólar no ano passado teve um impacto maior nos mercados emergentes do que nas economias avançadas menores, em parte devido às taxas de câmbio mais flexíveis do último grupo.

Para cada 10% de valorização do dólar norte-americano ligada às forças do mercado financeiro global, as economias dos mercados emergentes enfrentaram uma queda na produção do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,9% após um ano, um empecilho que deve durar dois anos e meio, disse o FMI.

A mesma pesquisa mostrou que o impacto foi muito menor nas economias avançadas, com a redução da produção chegando a 0,6% após um trimestre, e os efeitos desapareceram em grande parte em um ano.

O FMI disse no relatório que a taxa de câmbio efetiva real do dólar subiu 8,3% em 2022, para seu nível mais forte em duas décadas, em meio a uma série rápida de aumentos nos juros do Federal Reserve para conter a inflação e preços globais mais altos das commodities em meio à invasão russa da Ucrânia. .

“Os mercados emergentes e as economias em desenvolvimento com vulnerabilidades pré-existentes, como inflação alta e posições externas desalinhadas, sofreram maiores pressões de depreciação, enquanto as economias exportadoras de commodities se beneficiaram do aumento dos preços das commodities”, disse o FMI.

Muitas economias de mercados emergentes sofreram uma piora na disponibilidade de crédito, diminuição das entradas de capital, política monetária mais rígida e maiores quedas no mercado de ações.

Nas economias avançadas, taxas de câmbio mais flexíveis foram capazes de absorver parte do impacto, enquanto políticas monetárias mais acomodatícias também ajudaram --desde que houvesse expectativas de inflação firmemente ancoradas, disse o FMI.

Continua após a publicidade

"Expectativas de inflação mais ancoradas ajudam ao permitir mais liberdade na resposta da política monetária. Após uma depreciação, um país pode executar uma política monetária mais frouxa se as expectativas estiverem ancoradas. O resultado é um declínio inicial mais superficial na produção real", disseram os autores do relatório em uma postagem em  blog.

O FMI recomendou que os países emergentes adotem taxas de câmbio flexíveis ao desenvolver mercados financeiros domésticos que reduzam a sensibilidade dos empréstimos às taxas de câmbio e se comprometam a melhorar as estruturas fiscais e monetárias, incluindo a independência dos bancos centrais, para ajudar a ancorar as expectativas de inflação.

O relatório do setor externo do FMI avaliou que o dólar estava supervalorizado em 2022 em 3,5% a 14,6%, com um ponto médio de 9%. 

Deixe seu comentário

Só para assinantes