China deixa taxas de empréstimos inalteradas; fraqueza econômica testa autoridades

XANGAI/CINGAPURA (Reuters) - A China deixou suas taxas referenciais de empréstimo inalteradas nesta quinta-feira, depois que o banco central manteve uma taxa básica de juros no início desta semana, mesmo que os sinais de uma recuperação econômica vacilante exijam mais estímulos.

A economia da China cresceu em um ritmo frágil no segundo trimestre, aumentando as expectativas dos investidores por medidas de suporte ​​para garantir que a meta de crescimento de Pequim para o ano permaneça nos trilhos.

No entanto, muitos observadores do mercado disseram que o estímulo pode ser direcionado e limitado em escala, já que mais cortes nas taxas podem ampliar ainda mais os diferenciais de juros com os Estados Unidos e pressionar um iuan já fraco.

A taxa primária de empréstimo de um ano (LPR) foi mantida em 3,55%, enquanto a LPR de cinco anos ficou inalterada em 4,20%.

Em uma pesquisa com 26 observadores do mercado realizada esta semana, todos os participantes previram manutenção das duas taxas.

As decisões sobre a LPR ocorrem no momento em que o Banco do Povo da China (PBOC) rola empréstimos de médio prazo que estão vencendo, depois de ter mantido a taxa de juros nesta semana.

A taxa do instrumento de empréstimo de médio prazo (MLF) serve como um guia para a LPR e os mercados usam principalmente a MLF como precursora de quaisquer alterações nos referenciais de empréstimo.

O banco central da China disse na semana passada que usará ferramentas como a taxa de compulsório e o instrumento de empréstimo de médio prazo (MLF) para enfrentar os desafios enfrentados pela segunda maior economia do mundo.

A LPR, que os bancos normalmente cobram de seus melhores clientes, é definida por 18 bancos comerciais designados que apresentam propostas de taxas ao banco central todos os meses.

Continua após a publicidade

A maioria dos empréstimos na China é baseada na LPR de um ano, enquanto a taxa de cinco anos influencia as hipotecas. A China cortou as duas LPRs em junho para impulsionar a economia.

(Reportagem de Winni Zhou e Tom Westbrook)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes