Hypera vê "normalização" em temporada de gripe e rivais mais abastecidos

SÃO PAULO (Reuters) - A Hypera tem registrado crescimento de vendas em julho, mas em um nível mais lento do que o apurado um ano antes, por uma combinação de fatores que incluem um quadro gripal da população de volta a níveis históricos após a pandemia e rivais com mais oferta de produtos, afirmaram executivos da farmacêutica nesta sexta-feira.

A companhia divulgou na noite da véspera lucro líquido das operações continuadas de 504,4 milhões de reais no período de abril a junho deste ano, alta de 10,7% na comparação anual. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) das operações continuadas foi de 772,7 milhões de reais, crescimento de 14,6%. As ações da empresa recuavam 1,2% às 15h32, enquanto o Ibovespa exibia estabilidade.

"Estamos vendo normalização da temporada de gripe... Muito próxima do que víamos na pré-pandemia, em 2018 e 2019", disse o diretor de relações com investidores e novos negócios da Hypera, Adalmario Satheler do Couto, em conferência com analistas após a divulgação dos números da empresa na noite da véspera.

"Não é que as pessoas não estão ficando gripadas, mas é uma demanda mais normalizada", disse o executivo, se referindo à categoria de antigripais, uma das principais do portfólio de produtos da Hypera.

Segundo o presidente-executivo da companhia, Breno de Oliveira, as vendas da Hypera em julho para consumidores finais, o chamado "sell out", cresceram perto do ritmo do mercado, de cerca de 11% sobre um ano antes.

O desempenho marca uma desaceleração sobre a expansão de 16% do mercado e de cerca de 20% da Hypera em julho de 2022, segundo os dados citados por Oliveira.

"Os concorrentes voltaram com disponibilidade de produtos e estamos tento um desempenho um pouco pior do que imaginávamos por esses fatores", comentou o executivo.

O impacto da queda do dólar ante o real sobre a empresa, que tem na importação de insumos para a produção de medicamentos um importante componente nas contas, deverá ser sentido no balanço financeiro da Hypera mais entre o final deste ano e início de 2024, disse Couto.

Segundo o executivo, o mecanismo de hedge da empresa está "mais ou menos até o final de outubro" considerando um câmbio de 5 reais por dólar, e a empresa não pretende ampliá-lo.

Continua após a publicidade

"As novas compras vamos conseguir trabalhar com câmbio menor, mas isso deve demorar um pouco mais para transitar no nosso custo, provavelmente mais no início do ano que vem", disse o diretor de relações com investidores.

"Considerando o nível atual de 4,80 (reais por dólar), teremos mais ou menos 1 ponto percentual de impacto na margem bruta", acrescentou.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora