Mudanças climáticas colocam países em risco de rebaixamento, mostra estudo

Por Mark John

(Reuters) - Um fracasso global em reduzir as emissões de carbono levará ao aumento dos custos do serviço da dívida para 59 países na próxima década, de acordo com um estudo que simulou o impacto econômico das mudanças climáticas nas atuais classificações de crédito soberano.

Entre eles, China, Índia, Estados Unidos e Canadá podem esperar custos mais altos, já que suas pontuações de crédito caem dois níveis sob um sistema de ratings "ajustado ao clima", de acordo com o estudo publicado na revista Management Science nesta segunda-feira.

"Nossos resultados sustentam a ideia de que adiar investimentos verdes aumentará os custos de empréstimos para os países, o que se traduzirá em custos mais altos de dívida corporativa", disse a pesquisadora Patrycja Klusak sobre o estudo conduzido pela Universidade de East Anglia (UEA) e pela Universidade de Cambridge.

O aumento dos custos da dívida seria apenas uma faceta extra do dano econômico geral que as mudanças climáticas já estão causando. A gigante dos seguros Allianz estima que as recentes ondas de calor já teriam reduzido 0,6% da produção global neste ano.

Embora as agências de classificação de crédito reconheçam a vulnerabilidade das economias às mudanças climáticas, até agora elas têm sido cautelosas ao quantificar esses riscos em seus exercícios de recomendação por causa das incertezas sobre a provável extensão dos danos.

O estudo UEA/Cambridge treinou modelos de inteligência artificial nas classificações existentes da S&P Global e, em seguida, combinou isso com modelos econômicos climáticos e as próprias avaliações de risco de desastres naturais da S&P para criar novas classificações para vários cenários climáticos.

Um rebaixamento para 59 países soberanos surgiu de um chamado cenário RCP 8.5 de emissões que continuam aumentando. Em comparação, 48 soberanos sofreram rebaixamentos entre janeiro de 2020 e fevereiro de 2021 durante a turbulência da pandemia da Covid-19.

Se o planeta conseguir cumprir a meta do Acordo de Paris, com temperaturas mantidas abaixo do aumento de 2ºC em relação aos níveis pré-industriais, os ratings de crédito soberano, na simulação, não veriam impacto no curto prazo e apenas efeitos limitados no longo prazo.

Continua após a publicidade

O pior cenário de emissões elevadas até o final do século resultaria, por outro lado, em custos globais mais altos do serviço da dívida, chegando a centenas de bilhões de dólares em moeda corrente, segundo o modelo.

Enquanto os países em desenvolvimento com pontuações de crédito mais baixas são vistos como os mais atingidas pelos efeitos físicos das mudanças climáticas, os países com as pontuações de crédito mais altas provavelmente enfrentarão rebaixamentos mais severos simplesmente porque têm mais a cair.

"Não há vencedor", disse Klusak em entrevista.

As descobertas surgem no momento em os reguladores de todo o mundo procuram entender melhor quanto dano às economias e ao sistema financeiro global esperar das mudanças climáticas. Um documento do Banco Central Europeu no ano passado pediu maior clareza sobre como esses riscos estavam sendo incorporados às classificações de crédito.

A S&P Global Ratings publicou os princípios ambientais, sociais e de governança (ESG) usados ​​em suas classificações de crédito, que incluem referência ao risco de danos econômicos causados ​​pelas mudanças climáticas e os custos associados à sua mitigação. A agência se recusou a comentar o estudo da UEA/Cambridge.

Deixe seu comentário

Só para assinantes