Preços ao consumidor nos EUA têm alta moderada em julho; pedidos de auxílio-desemprego superam expectativas

WASHINGTON (Reuters) - Os preços ao consumidor nos Estados Unidos tiveram alta moderada em julho em meio a custos mais baixos de bens, incluindo veículos motorizados usados, uma tendência que pode persuadir o Federal Reserve a deixar a taxa de juros inalteradas no próximo mês.

O índice de preços ao consumidor subiu 0,2% no mês passado, repetindo a taxa de junho, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira.

Embora o aumento na taxa anual tenha acelerado aumentado pela primeira vez em 13 meses, isso se deveu a uma base mais baixa depois que os preços caíram em julho do ano passado, após um salto que impulsionou a inflação a um ritmo não visto em mais de 40 anos.

O índice avançou 3,2% nos 12 meses até julho após alta de 3,0% em junho, que havia sido o menor ganho na base anual desde março de 2021.

Os preços anuais ao consumidor caíram de um pico de 9,1% em junho de 2022. O Fed tem uma meta de inflação de 2%.

Economistas consultados pela Reuters previam que o índice de preços ao consumidor subiria 0,2% no mês passado e 3,3% na comparação anual.

"No geral, a tendência da inflação é mais descendente do que no início do ano", disse Sam Bullard, economista sênior do Wells Fargo. "Embora a inflação tenha feito um trabalho rápido em voltar a um dígito baixo, o ritmo ano a ano provavelmente ficará preso em torno de 3% até o final do ano. Isso manteria um retorno sustentado à meta do Fed à distância."

O relatório de inflação desta quinta-feira é um dos dois antes da reunião de política do banco central dos EUA de 19 a 20 de setembro. Os mercados financeiros esperam que o Fed deixe sua taxa de juros inalterada nessa reunião, de acordo com a ferramenta FedWatch do CME Group. Desde março de 2022, o Fed elevou sua taxa de juros de referência em um total de 525 pontos-base, para a faixa atual de 5,25% a 5,50%.

NÚCLEO

Continua após a publicidade

Excluindo as categorias voláteis de alimentos e energia, os preços ao consumidor subiram 0,2% em julho, repetindo a alta de junho. Nos 12 meses até julho, o núcleo aumentou 4,7%, após avanço de 4,8% em junho.

O núcleo da inflação foi contido pela segunda queda mensal consecutiva nos preços de carros e caminhões usados. Embora os custos de aluguel tenham continuado a subir no mês passado, o ritmo desacelerou desde janeiro, com uma nova moderação esperada no segundo semestre deste ano até 2024.

O arrefecimento do mercado de trabalho deve ajudar a conter a inflação. O governo informou na semana passada que a economia criou 187.000 empregos em julho, a segunda menor contagem desde dezembro de 2020. No entanto, as condições do mercado de trabalho permanecem apertadas, com a taxa de desemprego em mínimos de mais de 50 anos, mantendo os ganhos salariais elevados.

Mas com o aumento da produtividade do trabalhador, os economistas estão otimistas de que os custos trabalhistas serão contidos.

Um relatório separado do Departamento do Trabalho nesta quinta-feira mostrou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego aumentaram em 21.000 na semana encerrada em 5 de agosto, para 248.000 em dado com ajuste sazonal. Economistas previam 230.000 pedidos para a última semana.

O número de pessoas que recebem benefícios após uma semana inicial de auxílio, medida para contratação, caiu em 8.000 durante a semana encerrada em 29 de julho, para 1,684 milhão , mostrou o relatório.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Lucia Mutikani)

Deixe seu comentário

Só para assinantes