Governo não concorda com visão da gestão anterior sobre reforma administrativa, diz Padilha

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, afirmou nesta sexta-feira que o governo não concorda com a proposta de reforma administrativa enviada ao Congresso pelo ex-presidente Jair Bolsonaro por entender que ela destruiria o serviço público do país.

Padilha disse ainda, em entrevista a jornalistas após participar do velório do ex-deputado Francisco Dornelles, que o Executivo trabalha com uma agenda de valorização e modernização do serviço público, mas também busca a redução de despesas.

“Não concordamos com a visão do governo anterior que, na verdade, não queria uma reforma, mas uma destruição da carreira pública“, disse Padilha.

"Temos agenda de valorização e modernização do serviço público e de redução de despesas, mas não de destruição“, afirmou. "A prioridade do governo é modernizar, tornar o serviço público mais eficiente e valorizar o serviço público“.

A reforma administrativa voltou à tona após o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), defender sua aprovação como forma de melhorar os gastos públicos. O deputado manifestou o desejo de votar o texto que já tramita na Casa, editado pelo governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Deixe seu comentário

Só para assinantes