China intensifica suporte econômico e bancos abrem caminho para mais cortes em empréstimos

Por Ziyi Tang e Clare Jim e Xie Yu

PEQUIM (Reuters) - A China intensificou as medidas para impulsionar a economia do país nesta sexta-feira, com os principais bancos abrindo caminho para novos cortes nas taxas de empréstimos e fontes dizendo que Pequim planeja outras ações, incluindo o relaxamento das restrições à compra de casas.

Como parte das medidas de apoio, as autoridades chinesas também reduziram o montante de fundos que as instituições precisam manter em reservas cambiais. As medidas animaram os investidores, e analistas disseram que elas devem evitar uma nova desaceleração no setor imobiliário.

A China está lutando contra uma desaceleração que abalou os mercados globais, com os holofotes agora firmemente voltados para a problemática crise de dívida da incorporadora Country Garden, em um setor que contribui com cerca de um quarto da economia.

Com o aumento da pressão, as autoridades implementaram uma série de medidas para estimular a economia e reanimar o mercado imobiliário, incluindo a flexibilização de algumas regras de empréstimo e um corte no montante de moeda estrangeira que os bancos devem manter como reservas.

O país deverá tomar outras medidas, incluindo o relaxamento das restrições à compra de casas, segundo quatro pessoas familiarizadas com o assunto.

Nas próximas semanas, os órgãos reguladores, incluindo o Ministério da Habitação, o banco central e o órgão regulador financeiro, implementarão medidas nas quais têm trabalhado nos últimos meses sob a orientação do Conselho de Estado, disseram duas das pessoas.

Betty Wang, economista sênior do ANZ, disse que várias medidas de flexibilização do setor imobiliário em todo o país nas últimas semanas superaram as expectativas do mercado.

"Esta é a primeira vez desde 2021 que a China anuncia uma série de medidas de flexibilização para o setor imobiliário em todo o país. Elas ajudarão a restaurar a confiança do mercado e evitarão que o setor sofra um declínio ainda maior."

Continua após a publicidade

No curto prazo, no entanto, o sentimento do mercado será influenciado pelo resultado de um teste crucial da confiança dos investidores no Country Garden.

Na quinta-feira, o Country Garden adiou o prazo para que os credores votassem sobre o adiamento dos pagamentos de um título privado onshore de 3,9 bilhões de iuanes (537 milhões de dólares) até sexta-feira, para dar aos detentores de títulos "tempo suficiente" para se prepararem para a votação.

A votação é um obstáculo importante que a Country Garden enfrenta enquanto se esforça para evitar o calote, com um detentor de títulos em dólares da incorporadora dizendo que se a empresa não puder estender sua dívida doméstica, não poderá atender aos detentores de títulos externos.

"Isso tem sido um acidente de carro em câmera lenta", disse o detentor de títulos, que não quis ser identificado devido à sensibilidade da questão, acrescentando que as preocupações se concentravam na incerteza sobre a economia em geral e nas tensões com Washington.

A Country Garden, a maior incorporadora privada da China em termos de vendas, não respondeu imediatamente ao pedido de comentário da Reuters.

CORTE NAS TAXAS DE DEPÓSITO

Continua após a publicidade

O banco central disse nesta sexta-feira que reduzirá a taxa de reserva cambial em 200 pontos-base, de 6% para 4%, a partir de 15 de setembro, uma medida que parece ter como objetivo desacelerar o ritmo de queda do iuan.

Os credores que reduziram as taxas de hipoteca na sexta-feira incluem o Industrial and Commercial Bank of China, o China Construction Bank Corp e o Agricultural Bank of China, que reduziram suas taxas de depósito entre cinco e 25 pontos-base, segundo sites de cada banco.

Vários bancos de médio porte também anunciaram que começarão a cortar as taxas de juros de uma série de depósitos em 10 a 25 pontos-base.

Três fontes familiarizadas com o assunto disseram à Reuters na terça-feira que os principais bancos estatais cortariam as taxas de depósito enquanto se preparam para reduzir as taxas de juros das hipotecas existentes em breve.

A partir de 25 de setembro, os compradores de casas pela primeira vez com hipotecas poderão solicitar a seus bancos uma taxa de juros mais baixa para seus empréstimos existentes, anunciaram o banco central e o órgão regulador financeiro da China na quinta-feira.

Os cortes nas taxas de depósito são os terceiros desse tipo em um ano, com a escala maior do que as rodadas anteriores em junho e setembro do ano passado.

Continua após a publicidade

(Reportagem adicional de Davide Barbuscia em Nova York)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes