Lançamentos de montadoras chinesas deixam europeias apreensivas no Salão de Munique

Por Victoria Waldersee

MUNIQUE (Reuters) - As montadoras de automóveis da Europa têm uma batalha em suas mãos para produzir veículos elétricos de baixo custo e tomar a liderança da China no desenvolvimento de modelos mais baratos, disseram os executivos durante o Salão Internacional do Automóvel (IAA) de Munique, na Alemanha.

"Temos que fechar a lacuna de custos com alguns rivais chineses que começaram a produzir uma geração antes", disse o presidente-executivo da Renault, Luca de Meo, à Reuters, acrescentando que quando os custos de fabricação diminuírem, os preços também cairão.

De Meo disse que, como parte do esforço da montadora francesa para alcançar a paridade de preços com os chineses, o seu R5 EV, que será lançado no próximo ano, será de 25% a 30% mais barato do que os modelos elétricos Scénic e Mégane.

Os fabricantes chineses de veículos elétricos, incluindo a BYD, a Nio e a Xpeng, estão mirando o mercado de veículos elétricos da Europa, onde as vendas aumentaram quase 55%, para cerca de 820 mil veículos, nos primeiros sete meses de 2023, representando cerca de 13% de todas as vendas de carros.

A Xpeng planeja expandir para mais mercados europeus em 2024, e a Zhejiang Leapmotor Technology anunciou cinco modelos para mercados estrangeiros, incluindo a Europa, nos próximos dois anos.

De acordo com a consultoria automotiva Inovev, 8% dos novos veículos elétricos vendidos na Europa até o momento neste ano foram fabricados por marcas chinesas, em comparação com 6% no ano passado e 4% em 2021.

Cerca de 41% dos expositores do evento em Munique deste ano têm sede na Ásia, com o dobro de empresas chinesas presentes, incluindo BYD, Xpeng e a fabricante de baterias CATL.

Um veículo elétrico na China custava menos de 32 mil euros no primeiro semestre de 2022, em comparação com cerca de 56 mil na Europa, de acordo com pesquisadores da Jato Dynamics.

Continua após a publicidade

"O segmento de mercado de automóveis básicos desaparecerá ou não será feito pelos fabricantes europeus", disse o presidente-executivo da BMW, Oliver Zipse, na noite de domingo, em referência à entrada da China na Europa.

O presidente da Xpeng, Brian Gu, disse que, embora as montadoras europeias estejam atualmente atrás da China, elas assumiram um "enorme compromisso" com os veículos elétricos por meio de parcerias e grandes investimentos em tecnologia.

"Eu nunca vou descartar o fato de que as grandes (montadoras) estão se esforçando muito para voltar e se concentrar nessa importante transição", disse Gu.

(Por Victoria Waldersee, Gilles Gillaume Christina Amann, Zoey Zhang e Jan Schwartz)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora