Pix permitirá débito automático e BC vê evolução para pagamento offline, parcelado e internacional

BRASÍLIA (Reuters) - O Pix permitirá, futuramente, que usuários realizem débitos automáticos para obrigações recorrentes como contas de energia elétrica, planos de saúde e taxas de condomínio, informou nesta segunda-feira o Banco Central, vislumbrando também a evolução do mecanismo para pagamentos offline, compras parceladas e transações internacionais.

Em relatório sobre o Pix, a autoridade monetária disse que o pagamento automático deve ser desenvolvido já neste ano, com previsão de lançamento em 2024. Não foram apresentadas previsões de data para início de operação das outras funcionalidades.

Lançado em 2020, o Pix apresentou ampla adesão da população, alcançando 133 milhões de pessoas em dezembro do ano passado, mês em que o número de transações atingiu 2,9 bilhões, envolvendo um montante de 1,2 trilhão de reais.

“A intenção é que o Pix passe, efetivamente, a atender a situações e casos de uso ainda não cobertos e que aprimore a experiência de pagamento dos usuários”, disse o BC.

Para o futuro, a autarquia afirmou que entre as possibilidades está o uso de tecnologia para permitir que a pessoa faça o pagamento por Pix mesmo que não esteja conectada à internet. Isso facilitaria, por exemplo, operações em pedágios de rodovias e no transporte público.

“Há, ainda, a possibilidade de estabelecer regras padronizadas que viabilizem a utilização de mecanismos de garantia vinculados às transações de pagamento, possibilitando que o Pix seja utilizado para pagamentos a prazo ou parcelados, mitigando o risco de crédito”, afirmou.

Segundo a instituição, o Pix também poderá permitir a integração com sistemas de pagamentos instantâneos internacionais, viabilizando remessas transfronteiriças, pagamentos entre empresas e de compras feitas no exterior.

(Por Bernardo Caram)

Deixe seu comentário

Só para assinantes