Economia da América Latina e do Caribe crescerá 1,7% em 2023 e 1,5% em 2024, diz Cepal

SANTIAGO (Reuters) - A economia da América Latina e do Caribe deve crescer 1,7% este ano e 1,5% em 2024, disse a Cepal na terça-feira, em meio à dinâmica de crescimento baixo e complexidades macroeconômicas na região, apesar de uma revisão moderada para cima neste ano.

A agência da ONU prevê que todas as sub-regiões apresentarão um dinamismo menor em comparação com 2022 e disse que os números do primeiro trimestre não apenas confirmaram a desaceleração regional em termos anuais, mas mostraram uma estagnação do Produto Interno Bruto nos últimos quatro trimestres.

Em 2022, a região cresceu 3,8%, de acordo com números preliminares. Em abril, a Cepal havia projetado que a América Latina e o Caribe cresceriam 1,2% este ano.

De acordo com o relatório, a economia do Brasil crescerá 2,5% este ano e 1,4% no próximo enquanto a da Argentina vai contrair 3,0% e 1,6%. As projeções para o PIB do México são de avanço de 2,9% em 2023 e 1,8% em 2024. O PIB peruano crescerá 1,3% este ano e 2,5% no ano que vem, enquanto o da Colômbia aumentará 1,2% e 1,9%.

"As projeções para 2024 indicam que o baixo dinamismo na região continuará. Espera-se que o contexto internacional continue desfavorável, com o crescimento do PIB e do comércio global bem abaixo das médias históricas", disse a agência sediada em Santiago.

Internamente, acrescentou a Pesquisa Econômica Anual da América Latina e do Caribe, permanece o espaço reduzido para políticas macroeconômicas, tanto fiscais quanto monetárias.

"A dívida pública está em níveis elevados, o que, juntamente com o aumento das taxas de juros externas e domésticas e uma queda esperada nas receitas fiscais como resultado de um crescimento menor, significa que o espaço fiscal deverá ser limitado para a região como um todo", disse o relatório.

Em julho do ano passado, o Chile se tornou a primeira grande economia da região a iniciar um ciclo de flexibilização monetária há muito esperado, depois que os bancos centrais aumentaram as taxas de juros de forma acentuada para lidar com a inflação na esteira da recuperação pós-pandemia e da guerra na Ucrânia.

O documento também observou que, embora a dinâmica da inflação tenha caído, ela permanece em níveis acima dos observados antes da pandemia e acima das metas dos bancos centrais, o que "sugere que as taxas de juros permanecerão relativamente altas até o fim do ano".

Continua após a publicidade

(Reportagem de Natalia Ramos)

Deixe seu comentário

Só para assinantes