Em caso de amor com dólar, Argentina agoniza sobre divórcio com peso

Por Marc Jones e Eliana Raszewski e Rodrigo Campos

LONDRES/BUENOS AIRES/NOVA YORK (Reuters) - María Barro, uma empregada doméstica de 65 anos em Buenos Aires, compra alguns dólares por mês com seu salário em pesos, uma proteção contra a inflação persistente da Argentina, que atualmente ultrapassa 100%, e a desvalorização constante do pouco amado peso local.

O peso está agora na mira do candidato azarão à Presidência do país, o radical libertário Javier Milei, que prometeu acabar com o Banco Central e dolarizar a economia, a terceira maior da América Latina.

Milei --que enfrenta uma batalha acirrada com candidatos políticos tradicionais da direita e da esquerda antes da votação de 22 de outubro-- diz que poupadores como María Barro ressaltam o motivo pelo qual a Argentina deve se desfazer do peso.

"Tento comprar dólares, mesmo que seja pouco", disse Barro, que começou a comprar dólares nos mercados paralelos em 2022, quando 2.000 pesos lhe rendiam 10 dólares. Agora, ela conseguiria 2,70 dólares. "Os pesos vão como água e a cada dia valem menos."

Barro apoia a ideia de uma economia dolarizada em teoria, mas diz que não gosta do estilo agressivo de Milei, que envolve tiradas regulares com palavrões contra rivais e até mesmo contra o papa. Ela ainda está indecisa quanto ao seu voto.

O plano de dolarização de Milei dividiu fortemente a opinião pública: seus apoiadores argumentam que é a solução para a inflação próxima a 115%, enquanto seus detratores dizem que é uma ideia impraticável que sacrificaria a capacidade do país de definir as taxas de juros, controlar a quantidade de dinheiro em circulação e servir como credor de última instância.

"O argumento a favor da dolarização é que não há estabilidade de preços e a independência do Banco Central é uma ilusão", disse Juan Napoli, candidato ao Senado pelo partido Liberdade Avança, de Milei.

Napoli admitiu que a Argentina ainda não está pronta para a dolarização total. Milei e seus assessores falaram sobre um prazo de nove meses a dois anos.

Continua após a publicidade

"Isso requer um grande acordo político entre nós e também a existência de reservas suficientes", disse Napoli. As atuais reservas líquidas de moeda estrangeira do Banco Central estão em território negativo. "Isso levará algum tempo, não acontecerá imediatamente."

"ÚLTIMO RECURSO"

A dolarização já foi tentada em outros lugares, geralmente substituindo a moeda local por dólares a uma taxa de câmbio definida ou intervindo nos mercados para "atrelar" a moeda local ao dólar. O Banco Central perde sua função de definição da política monetária, mas geralmente é mantido para lidar com tarefas técnicas e administrativas, como gerenciamento de reservas e sistemas de pagamento.

A Argentina atrelou seu peso ao dólar em 1991 sob as políticas econômicas neoliberais do presidente Carlos Menem e chegou a debater a dolarização total. No entanto, foi forçada a desfazer a vinculação uma década depois, quando uma grande crise econômica e uma corrida ao peso provocaram tumultos e o colapso do sistema de "currency board".

A Bolívia tem uma paridade com o dólar, a Venezuela tem uma economia quase movida a dólar, enquanto Equador, El Salvador e Panamá usam oficialmente o dólar. O Zimbábue dolarizou e depois abandonou a moeda, embora os economistas estimem que 80% de sua economia local permaneça em dólares.

No entanto, a economia argentina de 650 bilhões de dólares seria, de longe, o maior experimento de dolarização, caso ocorresse. O país é um grande exportador global de soja, milho e carne bovina, tem uma das maiores reservas mundiais de lítio metálico para baterias elétricas e enormes reservas de gás de xisto e petróleo em Vaca Muerta.

Continua após a publicidade

Muitos argentinos não estão convencidos, temendo a perda da independência econômica e a dependência excessiva dos Estados Unidos. Pesquisas dos últimos meses mostram que mais pessoas se opõem à ideia, embora algumas novas pesquisas sugiram que o apoio está aumentando à medida que a inflação dispara.

"Não sei qual é a solução, mas não concordo com a dolarização", disse Martina Rivero, de 25 anos, que trabalha em uma loja de roupas para bebês no badalado bairro de Palermo, em Buenos Aires.

Os rivais de Milei pela Presidência, o ministro da Economia Sergio Massa e a ex-ministra da Segurança Patricia Bullrich, rejeitam a ideia da dolarização, considerando-a impraticável.

O governo também tem um programa de empréstimo de 44 bilhões de dólares com o Fundo Monetário Internacional (FMI), o que significa que a formulação de políticas econômicas muitas vezes vem acompanhada de restrições. Milei conversou com o FMI em agosto, e a dolarização fez parte da discussão.

Embora o FMI não tenha comentado o plano, muitos especialistas o consideram uma medida drástica.

"Para mim, trata-se de um último recurso absoluto", disse Olivier Blanchard, ex-economista-chefe do FMI e atualmente acadêmico. "É muito caro abrir mão da flexibilidade da taxa de câmbio."

Continua após a publicidade

DÓLARES NO COLCHÃO

Mark Sobel, um veterano do Tesouro dos EUA, atualmente no instituto de pesquisa OMFIF, nos Estados Unidos, disse que a dolarização significa que as autoridades perderiam a capacidade de agir como credor de última instância, o que "aumentaria a vulnerabilidade do sistema financeiro".

Em vez disso, ele afirmou que o Banco Central precisa parar de imprimir dinheiro para financiar o Tesouro e reduzir seu déficit fiscal.

Para muitos, a questão é que o amor dos poupadores argentinos pelo dólar é quase impossível de ser desfeito. Muitos foram queimados quando o governo confiscou, congelou ou converteu depósitos à força em 1989 e 2002, no que é conhecido localmente como "corralito". Desde então, tem sido difícil reconquistar a confiança.

Um dado oficial amplamente citado sugere que os argentinos têm até 371 bilhões de dólares em ativos em dólares, grande parte deles fora do sistema financeiro local, o que reflete décadas em que as pessoas colocavam as poupanças que não eram em pesos fora do alcance do governo, enfraquecendo a economia doméstica.

"As economias agora são colocadas no colchão ou, na melhor das hipóteses, são investidas em outro país. Portanto, o vínculo entre poupança e investimento na Argentina está rompido", disse Facundo Martínez Maino, economista que trabalhou no plano econômico de Bullrich.

Continua após a publicidade

Esse plano apoia a formalização de um sistema "bimonetário" que o país já possui informalmente para trazer esses dólares escondidos de volta ao sistema financeiro formal.

"A dolarização é uma enorme fantasia e uma grande mentira de campanha", disse Martínez Maino. "Nem mesmo o mais fanático e fervoroso defensor da dolarização na Argentina pode defendê-la seriamente neste momento. Por um motivo simples. A Argentina não tem reservas."

Em uma recente guerra pública de palavras, Milei disse que os planos de Bullrich são "covardes, mornos e terminariam em hiperinflação e dolarização sangrenta".

(Reportagem adicional de Anna-Catherine Brigida e Horacio Soria)

Deixe seu comentário

Só para assinantes