EUA têm atividade econômica modesta com crescimento moderado do emprego, mostra pesquisa do Fed

Por Ann Saphir e Michael S. Derby

(Reuters) - O crescimento econômico dos Estados Unidos foi "modesto" nas últimas semanas, a alta do emprego foi "moderada" e a inflação desacelerou na maior parte do país, segundo um relatório do Federal Reserve publicado nesta quarta-feira.

"Quase todos os distritos indicaram que as empresas renovaram suas expectativas, até então não atendidas, de que o crescimento dos salários desacelerará de forma geral no curto prazo", disse o banco central dos EUA em seu mais recente "Livro Bege", um resumo das pesquisas e entrevistas realizadas em seus 12 distritos até 28 de agosto. "A maioria dos distritos relatou que o crescimento dos preços desacelerou de modo geral."

A divulgação ocorre duas semanas antes da próxima reunião de fixação de taxas do Fed, nos dias 19 e 20 de setembro, na qual se espera que os formuladores de política monetária mantenham os juros na faixa atual de 5,25% a 5,5%, mas também deixem em aberto a possibilidade de um último aumento de 0,25 ponto percentual na taxa antes do final do ano.

Os mercados financeiros estão precificando uma chance de cerca de 50-50 de que o ciclo de aperto, iniciado há 18 meses, tenha terminado.

A maioria dos integrantes do Fed não está convencida, pelo menos por enquanto. Eles acreditam que os 5,25 pontos percentuais de aumento das taxas desde março de 2022 estão desacelerando a economia, limitando o crescimento do emprego e, principalmente, esfriando a inflação, que atingiu o maior nível em 40 anos no ano passado.

As evidências desde o último aumento das taxas, no final de julho, tendem a corroborar essa visão, com o crescimento mensal médio de 150.000 empregos nos últimos três meses, uma queda acentuada em relação aos três meses anteriores, e a inflação pela medida preferida do Fed em torno de 3,3% em julho, abaixo dos 7% do verão passado.

É por isso que até mesmo uma autoridade do Fed de posição mais dura contra a inflação, como o diretor Christopher Waller, sinalizou recentemente seu apoio a uma pausa no aumento das taxas para dar tempo de avaliar cuidadosamente os dados que estão chegando.

Ainda assim, os preços continuam a subir acima da meta de 2% do Fed, os empregadores estão criando muito mais do que os 100 mil empregos mensais necessários para atender ao crescimento populacional e a produção econômica parece estar ultrapassando em muito a taxa de crescimento anual de menos de 2% que as autoridades do Fed dizem ser sustentável no longo prazo.

Continua após a publicidade

Tudo isso aponta para uma possível pressão de alta sobre a inflação. Portanto, mesmo afirmando que não estão sob pressão imediata para aumentar as taxas, as autoridades do Fed estão analisando os dados, inclusive os do mais recente Livro Bege, para avaliar se ainda é necessário um aperto adicional no crédito para colocar a inflação firmemente no caminho de sua meta de 2%.

Deixe seu comentário

Só para assinantes