Chinesa Tencent, proprietária da WeChat, lança modelo de inteligência artificial

Por Josh Ye

PEQUIM (Reuters) - A Tencent Holdings disse nesta quinta-feira que as empresas podem agora usar seu modelo de inteligência artificial (IA) de grande linguagem, o "Hunyuan", ao lançar o tão aguardado produto em meio a uma corrida de companhias de tecnologia para se tornarem campeãs de IA na China.

A gigante chinesa de tecnologia, proprietária da plataforma de mídia social WeChat, conduziu uma demonstração diante de uma audiência ao vivo, durante uma conferência em Shenzhen. A companhia disse que o Hunyuan se tornou a base de mais de 50 de seus produtos e serviços.

“Em julho, havia mais de 130 grandes modelos linguísticos na China”, disse Jiang Jie, vice-presidente da Tencent. "Uma guerra de 100 modelos começou."

A estreia do Hunyuan ocorre depois de várias empresas de tecnologia chinesas, incluindo Baidu Inc e Grupo SenseTime, revelarem recentemente seus próprios modelos de IA.

A Tencent, a empresa de internet mais valiosa da China, disse que o Hunyuan tinha mais de 100 bilhões de parâmetros e foi treinado com mais de 2 trilhões de tokens, duas métricas frequentemente usadas para medir o poder dos modelos de IA.

O modelo GPT-3 AI da OpenAI continha 175 bilhões de parâmetros em 2020 e o modelo Llama 2 da Meta Platform Inc tinha 70 bilhões de parâmetros em 2023.

A Tencent disse que seu modelo, capaz de conversar em chinês e inglês, era “melhor” que o ChatGPT da OpenAI em áreas como escrever textos longos com milhares de palavras e resolver certos problemas matemáticos.

O modelo também experimenta 30% menos alucinações em comparação com o Llama 2, acrescentou Tencent. Os especialistas em IA descrevem frequentemente momentos em que os modelos de IA geram informações incorretas, mas apresentam-nas como se fossem um fato, como “alucinações”.

Continua após a publicidade

Não houve verificação independente das afirmações da Tencent. ChatGPT e Meta não estavam imediatamente disponíveis para comentar.

(Reportagem de Josh Ye em Hong Kong; reportagem adicional da Redação de Pequim)

Deixe seu comentário

Só para assinantes