Co-fundador de criptomoeda falsa é condenado a 20 anos de prisão nos EUA

Por Kanishka Singh e Jody Godoy

(Reuters) - Um juiz federal de Nova York condenou o co-fundador da suposta criptomoeda OneCoin a 20 anos de prisão nesta terça-feira, pelo que os promotores classificaram como uma fraude de 4 bilhões de dólares.

O juiz distrital Edgardo Ramos, de Manhattan, condenou Karl Sebastian Greenwood, cidadão com dupla nacionalidade sueca e britânica, que se confessou culpado de acusações de fraude e lavagem de dinheiro em dezembro de 2022.

Ramos também ordenou que Greenwood perdesse 300 milhões de dólares.

Greenwood está detido em Nova York desde sua prisão em 2018, na Tailândia, e a extradição para os Estados Unidos por seu papel na promoção do OneCoin.

Os promotores buscaram uma sentença de pelo menos 30 anos para Greenwood, que eles disseram ser o “principal promotor” da OneCoin, e que a promoveu como o "próximo Bitcoin". Na realidade, a OneCoin era um esquema de pirâmide que fraudou pelo menos 3,5 milhões de pessoas, disseram.

Os advogados de Greenwood pediram que a pena fosse considerada cumprida, citando as duras condições durante sua detenção.

Greenwood fundou a OneCoin em Sofia, na Bulgária, em 2014, ao lado de Ruja Ignatova, uma cidadã alemã que, segundo os promotores, também é conhecida como a "Rainha das Criptomoedas". O FBI a colocou em sua lista de dez mais procurados no ano passado.

Ignatova continua foragida, disseram os promotores. Um advogado de Greenwood não quis comentar.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Kanishka Singh em Washington e Jody Godoy em Nova York)

Deixe seu comentário

Só para assinantes