Fraqueza econômica alemã aumenta brilho de desempenho da França

Por Leigh Thomas

PARIS (Reuters) - A fraqueza econômica da Alemanha acabou por colocar brilho sobre a relativa resiliência da França, contrariando um retrospecto mediano da segunda maior economia da zona do euro, segundo os economistas.

A Comissão Europeia disse na segunda-feira que as duas economias estão em trajetórias divergentes este ano: a Alemanha a caminho de uma recessão, com contração de 0,4%, enquanto a França deve crescer 1%.

Com a fraca construção e o declínio do investimento no setor pesando sobre a maior economia da Europa, a perspectiva da Alemanha foi reduzida em relação à previsão anterior de crescimento de 0,2%, enquanto a França teve uma alta ante a estimativa anterior de 0,7%.

A melhora na perspectiva da França decorre, em grande parte, de um segundo trimestre particularmente forte, quando a economia cresceu 0,5%, graças às exportações excepcionalmente fortes de aeronaves e à entrega de um transatlântico, sem mencionar o impulso das empresas que estão reconstruindo seus estoques.

A economia alemã, focada em manufatura, está lutando para se adaptar ao corte do gás russo barato e à ascensão dos veículos elétricos, disse Charles-Henri Colombier, do think tank econômico Rexecode, em Paris.

O setor químico da Alemanha, fortemente dependente de gás, viu a produção cair 18% em relação aos níveis de 2019, enquanto na França a queda foi de apenas 8%, disse Colombier. Enquanto isso, a produção alemã de veículos automotores caiu 26%, contra apenas 6% na França.

"A França ainda está se beneficiando de fenômenos persistentes pós-pandemia que não têm um corolário na Alemanha", disse Colombier, citando números recordes de turismo no verão e uma recuperação nos pedidos da Airbus, já que as viagens aéreas continuam a se recuperar.

Além disso, a força do mercado de trabalho francês tem surpreendido repetidamente os economistas, mas, ainda assim, espera-se que diminua à medida que as empresas diminuem o número de funcionários em resposta à fraca confiança em suas perspectivas de negócios.

Continua após a publicidade

Isso deixa poucos suportes para apoiar o crescimento francês no futuro, a não ser a poupança das famílias. No segundo trimestre, a taxa de poupança das famílias -- a parcela da renda disponível que não é gasta -- atingiu quase 19% e poderá impulsionar os gastos se os consumidores retomá-los a taxa de volta a níveis mais normais, em torno de 15%, disse Plane.

"Podemos esperar que o crescimento seja muito modesto em 2024", acrescentou.

Em preparação para a divulgação do projeto de lei do orçamento de 2024 no final do mês, o Ministério das Finanças da França deve publicar suas previsões econômicas atualizadas nos próximos dias.

A expectativa é que o ministério reduza a previsão de 1,6% que tinha até agora para 2024, uma vez que o crescimento está desacelerando em muitos dos principais parceiros comerciais da França -- em primeiro lugar, a Alemanha.

Mas, ao contrário da Alemanha, a França não pode contar com o apoio das finanças públicas, já que o governo francês se comprometeu novamente a controlar os gastos, que atingiram níveis recordes durante a Covid e permaneceram altos durante a crise do preço da energia do ano passado.

"Estruturalmente, a Alemanha tem uma margem orçamentária gigantesca. Nesse contexto, a questão é como a Alemanha vai reagir", disse Plane.

Deixe seu comentário

Só para assinantes