Petrobras recorre a parcerias em energias renováveis para "ganhar tempo", diz Tolmasquim

Por Letícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras escolheu investir em energias renováveis através de parcerias com grandes empresas, uma forma de "ganhar tempo" na descarbonização de seu portfólio que hoje ainda não conta com ativos de geração limpa, disse nesta terça-feira o diretor de Transição Energética e Sustentabilidade da companhia, Mauricio Tolmasquim.

A declaração do executivo ocorre após a empresa anunciar mais cedo que busca se tornar a maior desenvolvedora de projetos de energia eólica do Brasil e que planeja anunciar na quarta-feira ações com esse objetivo.

"A gente quer ganhar tempo (em renováveis), tem muitos projetos que já estão prontos, ou estão em andamento, com licença... Estamos procurando esses parceiros para poder montar rapidamente esse portfólio", afirmou Tolmasquim a jornalistas após participar do evento Brazil WindPower, em São Paulo.

O movimento da Petrobras na direção das fontes de energia limpa vem na sequência de anúncios de outras grandes petroleiras que recentemente adquiriram ativos renováveis no Brasil.

A norueguesa Equinor comprou parques eólicos operacionais e em construção da Rio Energy, enquanto a francesa TotalEnergies se juntou à brasileira Casa dos Ventos, uma grande desenvolvedora e geradora.

Segundo o diretor da Petrobras, a ideia da companhia é buscar parcerias preferencialmente com grandes empresas para compartilhar "riscos, experiência e Capex (investimentos)".

Também estão em estudo alianças para projetos fora do Brasil, como eólicas offshore na Europa e nos Estados Unidos, mas a prioridade é o Brasil, acrescentou.

Ele lembrou que as fontes eólica onshore e solar já estão consolidadas no Brasil e contam com risco "baixíssimo", enquanto a eólica offshore ainda é novidade para o país e pode precisar de políticas específicas para se viabilizar.

Continua após a publicidade

Tolmasquim afirmou ainda que a Petrobras está focada em reduzir as emissões principalmente de escopo 3, envolvendo seu portfólio de produtos, uma vez que suas emissões no "upstream" já estão abaixo da média mundial.

"A Petrobras tem a preocupação de passar a investir também em elétrons e moléculas verdes. Nesse sentido, o caminho que escolhemos é de parcerias", disse Tolmasquim, acrescentando que a companhia pretende ser um "grande player" na área de energia, hidrogênio e captura de carbono (CCUS).

Deixe seu comentário

Só para assinantes