União Africana planeja lançar agência própria de recomendação de crédito

Por Libby George

LONDRES (Reuters) - A União Africana (UA) planeja lançar uma nova agência de recomendação de crédito no próximo ano para atender às preocupações do grupo de que as classificações dadas aos países do continente são injustas, disse uma autoridade à Reuters.

A agência, que quer elaborar sua própria avaliação dos riscos dos empréstimos aos países africanos, terá como base o continente, disse Misheck Mutize, principal especialista em suporte a países em agências de recomendação da União Africana.

Isso também acrescentará contexto às informações que os investidores consideram ao decidir comprar títulos africanos ou conceder empréstimos privados a países.

"Já temos um grande interesse do setor privado em apoiar a implementação disso", disse Mutize, acrescentando que o lançamento está previsto para 2024.

A União Africana e os líderes dos países membros, de Gana ao Senegal e à Zâmbia, alegam que as "três grandes" agências de recomendação de risco -- Moody's, Fitch e S&P Global Ratings -- não avaliam de forma justa o risco de empréstimos aos países africanos e dizem que são mais rápidas em rebaixá-los durante crises como a pandemia.

Todas as três agências de recomendação negaram a parcialidade e afirmaram que suas classificações seguem a mesma fórmula em todos os continentes.

A Moody's e a S&P Global Ratings não responderam imediatamente a um pedido de comentário. Ravi Bhatia, principal analista da S&P para classificações soberanas, disse recentemente à Reuters que a agência aplica os mesmos critérios de forma consistente em todas as regiões.

Um porta-voz da Fitch Ratings disse que todas as decisões de recomendação soberana usam "critérios globalmente consistentes e publicamente disponíveis" e que todos os fatores de recomendação foram claramente identificados.

Continua após a publicidade

TÍTULOS EM CIRCULAÇÃO

Um estudo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, realizado em abril, mostrou que os países africanos poderiam economizar até 74,5 bilhões de dólares se as classificações de crédito fossem baseadas em avaliações menos subjetivas, citando como exemplo as "idiossincrasias" na frequência das ações de recomendação dos países africanos.

Mutize disse que a nova agência foi um esforço para mudar a narrativa.

"Nosso objetivo não foi substituir as três grandes... precisamos delas para apoiar o acesso ao capital internacional. Nossa visão tem sido ampliar a diversidade de opiniões", disse.

Os ministros das finanças do bloco aprovaram uma resolução durante o verão para endossar o plano para a nova agência, um esforço liderado pelo Mecanismo Africano de Avaliação pelos Pares (APRM), um ramo da União Africana formado no ano passado para melhorar a governança em todo o continente. A expectativa é de que o conselho executivo adote a mesma resolução em fevereiro.

A agência será autofinanciada e dirigida pelo setor privado com supervisão da União Africana, disse Mutize.

Continua após a publicidade

"Os investidores têm se mostrado bastante positivos. Eles querem ver qual será o resultado disso", acrescentou. "Qualquer investidor prestará atenção a qualquer coisa que lhe traga informações."

(Reportagem adicional de Marc Jones)

Deixe seu comentário

Só para assinantes