Desenvolvedores de tecnologia de lítio buscam maneiras de aumentar reciclagem de água

Por Ernest Scheyder

PITTSBURGH (Reuters) - O setor de mineração está trabalhando para impulsionar a reciclagem de água e, ao mesmo tempo, desenvolver tecnologias de extração direta de lítio (DLE, na sigla em inglês), enquanto corre para reinventar a forma como o metal usado em baterias é explorado para a transição da energia verde, disseram executivos.

A crescente demanda global por lítio despertou um interesse generalizado nas tecnologias DLE, que usam menos terra e podem operar muito mais rápido do que a mineração de rocha dura e as lagoas de evaporação de salmoura -- as formas tradicionais de processar o metal branco.

Alguns tipos de tecnologias DLE, no entanto, exigem 180 toneladas ou mais de água para produzir uma única tonelada de lítio, um uso que gerou controvérsia em regiões áridas que buscam conservar a água potável e que anulou a suposta promessa da extração de reduzir o grande uso de água pelo setor de mineração.

"Se não conseguirmos fazer um bom trabalho de reciclagem da água e reduzir nossa pegada hídrica, seremos esmagados", disse John Burba, presidente executivo da International Battery Metals (IBAT), na conferência Reuters Events Industry Transition, em Pittsburgh, nesta semana. "O DLE é um processo que consome muita água."

Burba disse na conferência que a IBAT -- que manteve conversações para licenciar sua tecnologia DLE com a Exxon Mobil, a Chevron e outras -- recupera 98,5% da água doce usada durante seu processo de produção de lítio, e tem como objetivo aumentar ainda mais esse índice.

A EnergyX, de capital fechado, que conta com a General Motors como investidora, disse que pode recuperar até 90% de sua água doce, um número que seus cientistas estão trabalhando para aumentar.

"Conseguir reduzir para talvez cinco, 10 ou 15 toneladas (métricas) de água doce por tonelada de lítio é mais ou menos onde você quer chegar", disse o presidente-executivo da EnergyX, Teague Egan.

A Controlled Thermal Resources, que está desenvolvendo um projeto geotérmico de lítio no Salton Sea, na Califórnia, para abastecer a GM e a Stellantis, recicla um galão de água pelo menos oito vezes e produzirá água por meio do vapor de seu processo de energia geotérmica, disse o presidente-executivo Rod Colwell.

Continua após a publicidade

"Quantas vezes podemos reciclar? Essa é realmente a grande questão", disse Colwell.

A E3 Lithium, que é apoiada pela Imperial Oil da Exxon, começou a testar três tecnologias DLE no mês passado em Alberta e pretende instalar instalações de reciclagem de água à medida que se tornar comercial, disse o presidente-executivo Chris Doornbos.

Cada um dos desenvolvedores disse que espera que pelo menos uma tecnologia DLE seja lançada comercialmente até o início de 2025, uma interviria que deverá impulsionar todo o setor.

O esforço para reduzir o uso da água, segundo os executivos, deve, com o tempo, ajudar a amenizar algumas preocupações do setor de veículos elétricos sobre o impacto ambiental da mineração em meio à crescente demanda por lítio, acrescentaram.

Deixe seu comentário

Só para assinantes