Gasolina impulsiona vendas no varejo dos EUA em agosto; pedidos de auxílio-desemprego têm leve alta

WASHINGTON (Reuters) - As vendas no varejo dos Estados Unidos aumentaram mais do que o esperado em agosto, uma vez que os preços mais altos da gasolina impulsionaram as receitas nos postos de gasolina.

As vendas no varejo aumentaram 0,6% no mês passado, informou o Departamento de Comércio nesta quinta-feira. Os dados de julho foram revisados para baixo, mostrando um aumento de 0,5% nas vendas, em vez dos 0,7% informados anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters previam aumento de 0,2%. As vendas no varejo são principalmente de mercadorias e não são ajustadas pela inflação.

Um aumento nos preços da gasolina no mês passado provavelmente apertou os orçamentos das famílias de baixa renda. Excluindo os postos de gasolina, as vendas no varejo aumentaram 0,2%.

Os preços da gasolina aceleraram em agosto, atingindo o pico de 3,984 dólares por galão na terceira semana do mês, o maior valor deste ano, de acordo com dados da Administração de Informações sobre Energia dos EUA. Isso se compara a 3,676 dólares por galão durante o mesmo período de julho.

As vendas no varejo online ficaram estáveis no mês passado.

Embora os gastos continuem a ser sustentados por salários mais altos de um mercado de trabalho apertado, a perspectiva está ficando mais sombria, uma vez que o excesso de poupança acumulado durante a pandemia da Covid-19 continua a se esgotar.

Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços de alimentação, as vendas no varejo subiram 0,1% em agosto. Os dados de julho foram revisados para baixo, mostrando que o núcleo das vendas no varejo subiu 0,7%, em vez de 1,0% como informado anteriormente.

O núcleo das vendas no varejo corresponde mais estreitamente ao componente de gastos do consumidor do PIB. As estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto para o terceiro trimestre estão atualmente em uma taxa anualizada de 5,6%. A economia cresceu a um ritmo de 2,1% no trimestre de abril a junho.

Continua após a publicidade

A resiliência da economia é ressaltada pelo mercado de trabalho, que continua apertado.

Um relatório separado do Departamento do Trabalho nesta quinta-feira mostrou que os pedidos iniciais de auxílio-desemprego aumentaram para 220.000 na semana encerrada em 9 de setembro, em dados ajustados sazonalmente, de 217.000 na semana anterior.

Economistas previam 225.000 pedidos para a última semana. O período incluiu o feriado do Dia do Trabalho, o que pode ter injetado alguma volatilidade nos dados.

(Reportagem de Lucia Mutikani)

Deixe seu comentário

Só para assinantes