Fed enfrenta novos riscos com greves no setor automotivo e possível paralisação do governo

Por Howard Schneider

WASHINGTON (Reuters) - Autoridades do Federal Reserve, que têm admitido a possibilidade de conter a inflação sem uma recessão, se reunirão nesta semana em meio a uma greve dos trabalhadores do setor automotivo, uma possível paralisação do governo federal e a volta da pressão dos empréstimos estudantis sobre os consumidores, o que representa novos riscos para alcançar esse objetivo.

O sindicato United Auto Workers (UAW) lançou uma greve contra as três principais montadoras norte-americanas na sexta-feira, com uma paralisação inicial de cerca de 13.000 funcionários em três fábricas, mas esses números podem crescer.

Enquanto isso, o Congresso têm apenas até 30 de setembro para chegar a um acordo para financiar o governo federal ou as agências federais terão que paralisar, e os republicanos têm frustrado as negociações. Os pagamentos de empréstimos estudantis recomeçam em outubro, após uma suspensão de três anos durante a pandemia da Covid-19.

Isoladamente, nenhum desses vai provavelmente mudar a percepção das autoridades do banco central norte-americano sobre os riscos a curto prazo ou mudará seu foco na contenção da inflação ainda elevada.

Mas com a já esperada desaceleração da economia nos últimos meses do ano, perturbações prolongadas na indústria automobilística e nas agências federais poderão ter resultados imprevisíveis: minar os gastos dos consumidores, possivelmente elevar os preços dos automóveis, em um golpe para a luta contra a inflação, e produzindo o tipo de impacto na confiança das empresas e dos consumidores que poderia significar a diferença entre um "pouso suave" e uma recessão.

Com milhões de consumidores enfrentando a renovação dos pagamentos de empréstimos estudantis em outubro, o que desviará outros gastos, os economistas do Goldman Sachs moderaram sua perspectiva geralmente otimista com alertas sobre um "buraco" no quarto trimestre que poderia derrubar em mais de um ponto percentual o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA.

Pela estimativa do Goldman, a economia ainda cresceria a uma taxa anual de 1,3% nessa altura. Mas os montantes que eles veem retirados do PIB são superiores à taxa de crescimento de 1% que as autoridades da Fed esperavam que a economia alcançasse a partir de junho, e também além de muitas previsões do setor privado.

Com aumentos agressivos da taxa de juros ainda afetando a economia, os bancos restringindo o crédito e os consumidores chegando ao fim das poupanças da era pandêmica, pode não demorar muito para a economia sair do curso, disse Vincent Reinhart, economista-chefe da Dreyfus e Mellon e ex-chefe da divisão de política monetária do Fed.

Continua após a publicidade

Como risco adicional, Reinhart disse que a redução do balanço da Fed está atingindo níveis que poderão apertar inesperadamente as condições financeiras.

"A recessão resulta de choques relativos à vulnerabilidade da economia. Se estivermos atrasados ​​em um ciclo de aperto, a taxa de juros for restritiva, os amortecedores tiverem sido reduzidos, então estamos mais vulneráveis", disse ele. "Esses tipos de eventos teriam sido descartados há um ano."

Com a expectativa de que o Fed deixe sua taxa na faixa de 5,25% a 5,5% em sua reunião de 19 a 20 de setembro, quaisquer riscos emergentes poderão fazer pouco mais do que mudar a atmosfera e a linguagem em torno da reunião.

De qualquer forma, as autoridades têm oferecido neste momento pouca orientação sobre as decisões futuras. Elas provavelmente estão perto do fim dos aumentos que começaram em março de 2022 para conter a inflação elevada, mas não estão prontas para dizer com qualquer certeza que os juros atingiram o pico, ou indicar quando poderão ser cortados - em parte porque estão divididas sobre o próximos passos.

Deixe seu comentário

Só para assinantes