Nova unidade de regaseificação de GNL chega à França enquanto Greenpeace bloqueia porto

Por Forrest Crellin

PARIS (Reuters) - Uma nova unidade flutuante de regaseificação e armazenamento (FSRU, na sigla em inglês) de GNL chegou ao oeste da França na manhã desta segunda-feira, disse um porta-voz da TotalEnergies, enquanto o grupo ativista Greenpeace tentava impedir sua entrada no porto.

A demanda por gás natural liquefeito (GNL) na Europa cresceu na esteira da guerra na Ucrânia, com a França contando com seus quatro terminais para substituir as importações de gás russo e ajudar a abastecer vizinhos como a Alemanha.

O navio-tanque Cape Ann, que contém a nova FSRU, chegou ao porto de Le Havre durante a manhã, segundo dados de rastreamento de navios do LSEG.

No entanto, o grupo ambientalista Greenpeace bloqueou a rota do navio-tanque em protesto contra o que eles dizem ser uma contradição entre o novo terminal e uma promessa do governo no ano passado de tornar a França a primeira grande nação a eliminar gradualmente os combustíveis fósseis, disse um comunicado à imprensa do grupo.

"Esse terminal não deve ser comissionado e o governo deve abandonar todos os novos projetos de infraestrutura fóssil e quaisquer planos para ampliar a infraestrutura existente", disse Helene Bourges, chefe da campanha de combustíveis fósseis do Greenpeace França.

Ativistas em caiaques bloquearam a passagem para a entrada do porto e picharam "gás mata" na lateral do navio-tanque, disse o Greenpeace, acrescentando que membros do grupo Scientists in Rebellion também estavam presentes e apoiando a ação.

Um porta-voz da TotalEnergies disse que a empresa respeita o direito de manifestação.

No entanto, acrescentou que "deplora qualquer forma de violência, seja verbal, física ou material", dizendo que a segurança dos marinheiros e dos ativistas era sua prioridade.

Continua após a publicidade

A expectativa é que a infraestrutura de gás instalada em Le Havre esteja em operação por cinco anos e possa processar cinco bilhões de metros cúbicos de GNL anualmente, disse o porta-voz.

Alex Froley, analista de GNL da empresa de inteligência de dados ICIS, disse que a FSRU será conectada às redes de gás locais antes de estar pronta para começar a fornecer o combustível em terra.

Ele acrescentou que a situação atual do fornecimento de gás parece "muito confortável", com elevados níveis de armazenamento de gás em terra na Europa e o clima quente contínuo mantendo a demanda por aquecimento baixa.

Deixe seu comentário

Só para assinantes