Petróleo sobe enquanto perspectivas de oferta restrita compensam problemas de demanda

Por Arathy Somasekhar

HOUSTON (Reuters) - Os preços do petróleo subiram nesta segunda-feira, depois de flertar com 95 dólares por barril no início da sessão, já que as expectativas de um déficit de oferta decorrente de cortes prolongados na produção pela Arábia Saudita e pela Rússia, bem como pela fraca produção de shale nos EUA, superaram as preocupações com a demanda.

Os futuros do petróleo Brent, referência global, avançaram 0,50 dólar, fechando a 94,43 dólares o barril, depois de subirem para 94,45 dólares.

Os futuros do petróleo WTI, dos EUA, subiram 0,71 dólar, encerrando a 91,48 dólares.

A Arábia Saudita e a Rússia prorrogaram este mês um corte combinado de 1,3 milhão de barris por dia (bpd) na oferta até o final do ano.

Entretanto, a produção de petróleo dos EUA nas principais regiões produtoras de "shale" também deverá cair pelo terceiro mês consecutivo em outubro, para o seu nível mais baixo desde maio de 2023, afirmou a Administração de Informação de Energia dos EUA em um relatório mensal.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Príncipe Abdulaziz bin Salman, defendeu nesta segunda-feira os cortes da Opep+ no fornecimento do mercado de petróleo, dizendo que os mercados internacionais de energia precisam de uma regulamentação leve para limitar a volatilidade, ao mesmo tempo que alerta para a incerteza sobre a demanda chinesa, o crescimento europeu e a ação do banco central para combater a inflação.

O Brent e o WTI subiram por três semanas consecutivas para atingir o seu nível mais alto desde novembro e estão no caminho para os seus maiores aumentos trimestrais desde a invasão da Ucrânia pela Rússia no primeiro trimestre de 2022.

(Reportagem de Arathy Somasekhar em Houston, Natalie Grover em Londres e Florence Tan e Sudarshan Varadhan em Cingapura)

Deixe seu comentário

Só para assinantes