Credit Suisse pode registrar "perdas substanciais" no 2º semestre, diz executivo do UBS

ZURIQUE (Reuters) - O vice-presidente do UBS disse nesta terça-feira que é possível que o Credit Suisse gere mais perdas no segundo semestre do ano, mas expressou sua confiança de que a aquisição do banco será benéfica no longo prazo.

"Não se pode descartar o fato de que o Credit Suisse também terá perdas substanciais no segundo semestre do ano", disse Lukas Gaehwiler ao discursar no Fórum de Finanças, em Zurique.

Mas ele também disse que ainda é muito cedo para saber se a aquisição do banco será um negócio bom para o UBS.

A maior aquisição bancária desde a crise financeira global foi organizada às pressas em março pelas autoridades suíças, para evitar o colapso do Credit Suisse.

Juntamente com os resultados do segundo trimestre publicados no mês passado, o UBS anunciou que estava absorvendo os negócios domésticos do Credit Suisse, uma decisão contestada na Suíça.

Gaehwiler disse que poderá entender por que a maioria preferiu ter um Credit Suisse independente na Suíça, mas que não tem certeza se o órgão regulador do país, a Finma, teria concordado com isso.

Gaehwiler disse que espera permanecer em seu cargo atual até que a integração, que ele descreveu anteriormente como uma "tarefa hercúlea", tenha sido concluída.

O chefe-executivo do UBS, Sergio Ermotti, disse na semana passada que também planeja permanecer no comando do banco até 2026.

(Reportagem de Noele Illien)

Deixe seu comentário

Só para assinantes