Inflação na zona do euro em agosto é revisada para baixo

BRUXELAS (Reuters) - A inflação ao consumidor da zona do euro em agosto foi ligeiramente mais fraca do que a inicialmente estimada, informou a agência de estatísticas da União Europeia, Eurostat, mas ainda assim permaneceu mais do que o dobro da meta do Banco Central Europeu.

A Eurostat disse nesta terça-feira que a inflação nos 20 países que compartilham o euro foi de 0,5% em agosto em relação ao mês anterior e de 5,2% na base anual, abaixo da preliminar de 5,3% divulgada em 31 de agosto.

O BCE quer manter a inflação em 2,0% no médio prazo.

A Eurostat informou que o núcleo da inflação, que exclui os preços voláteis da energia e dos alimentos não processados, foi de 0,3% no mês de agosto e de 6,2% na base anual, em linha com as estimativas iniciais.

Uma medida ainda mais restrita da inflação, que também exclui álcool e tabaco e é observada por muitos economistas, apresentou alta de 0,3% no mês e de 5,3% em relação ao ano anterior, também em linha com as estimativas de 31 de agosto.

A Eurostat disse que os serviços mais caros tiveram o maior impacto sobre a leitura anual em agosto, acrescentando 2,41 pontos percentuais ao número final. Alimentos, álcool e tabaco somaram mais 1,98 ponto e bens industriais, 1,19 ponto. Uma queda nos preços da energia subtraiu 0,34 ponto.

Para reduzir a inflação para sua meta, o BCE aumentou sua taxa de depósito para um recorde de 4% na semana passada e indicou uma pausa, aumentando as expectativas no mercado de que seu próximo movimento será um corte, possivelmente já no final da primavera de 2024.

(Reportagem de Jan Strupczewski)

Deixe seu comentário

Só para assinantes