ANÁLISE-Petroleiras ficam cautelosas com novas perfurações ante avanço da transição energética

Por Rod Nickel e Nia Williams

CALGARY, Canadá (Reuters) - As políticas governamentais para combater as mudanças climáticas estão desencorajando as petroleiras a investirem pesadamente em nova produção, mesmo quando obtêm lucros recordes -- uma dinâmica que pode significar uma oferta restrita e preços elevados, enquanto medida que alternativas de energia limpa buscam preencher o vazio.

Os preços do petróleo bruto foram acima dos 90 dólares por barril e alguns analistas prevêem que irão ultrapassar os 100 dólares até ao final do ano. Mas, em vez de gastarem muito para aumentar a produção, as empresas estão aumentando os dividendos ou recomprando ações para recompensar os investidores.

Grupos ambientalistas dizem que a desaceleração do crescimento da produção poderia acelerar a mudança para energias renováveis ​​e reduzir as emissões de carbono. No entanto, a falta de investimento em perfuração pode agravar a escassez de energia nos países pobres e alimentar a inflação, alertaram os executivos de empresas no Congresso Mundial do Petróleo, em Calgary, nesta semana.

"Se não mantivermos algum nível de investimento na indústria, acabaremos por ficar sem oferta, o que leva a preços elevados", afirmou o CEO da Exxon Mobil, Darren Woods. Ele disse que as reservas de petróleo e gás estão se esgotando entre 5% e 7% ao ano e que a produção diminuirá se as empresas pararem de investir para substituí-las.

"As atuais deficiências de transição já estão causando confusão em massa nas indústrias que produzem e/ou dependem de energia", disse o CEO da Aramco, Amin Nasser. "Os planejadores e investidores de longo prazo não sabem que caminho tomar."

Espera-se que o investimento global em exploração e produção atinja 579 bilhões de dólares em 2023, um aumento modesto em relação à média anual de 521 bilhões de dólares entre 2015 e 2022, de acordo com a consultora Rystad Energy. Esse período abrangeu a queda do preço do petróleo de 2014-15 e a pandemia de Covid-19.

O investimento em petróleo e gás atingiu o pico em 2014, com 887 bilhões de dólares.

O investimento parece "estagnado" durante os próximos dois a três anos, e pode começar a cair em 2026, à medida que a adoção de veículos elétricos e as políticas governamentais de emissões começarem a achatar a procura por petróleo, disse Aditya Ravi, vice-presidente sênior de pesquisa upstream da Rystad.

Continua após a publicidade

A Agência Internacional de Energia alertou na semana passada que a procura por petróleo atingirá o pico em 2030.

As incertezas sobre a política governamental são um fator maior que restringe o investimento, disse Alex Pourbaix, presidente executivo da produtora canadense Cenovus Energy..

"Se você quiser adicionar 100 mil barris por dia de produção, vai gastar bilhões e bilhões de dólares", disse Pourbaix em entrevista. "Em termos de qualquer investimento realmente significativo em grandes projetos, isso provavelmente terá que esperar por mais clareza por parte do governo."

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que perto de 2 bilhões de pessoas ainda dependerão de combustíveis perigosos e poluentes para cozinhar até 2030, contra 2,3 bilhões atualmente.

Mas nem todas as petroleiras estão reduzindo gastos com produção. A estatal Oil India planeja aumentar os gastos com exploração na Índia, um país que depende das importações de petróleo, de 1 bilhão de dólares este ano para 10 bilhões de dólares em cinco anos.

"Não temos opção. O investimento é uma necessidade", disse o diretor-gerente Ranjit Rath. “Se você não investir com o preço atual, vai perder o ônibus.”

Continua após a publicidade

Uma maior produção de petróleo poderia fornecer receitas para atingir os objetivos de emissões líquidas zero, disse Rath.

A Petrobras pretende aumentar a sua produção em 18%, para 3,2 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) em 2032, ante 2,7 milhões de boed este ano. A empresa avançaria mais rápido se não fosse pelos problemas em garantir equipamentos para construir plataformas de produção, disse Carlos Travassos, diretor executivo de Engenharia, Tecnologia e Inovação.

(Reportagem de Rod Nickel e Nia Williams em Calgary, Alberta)

Deixe seu comentário

Só para assinantes